Empresa britânica teria pago atrizes para cortejar saudita

A gigante britânica do setor da defesa BAE Systems supostamente pagou milhares de libras de um fundo secreto a duas atrizes britânicas para cortejar um príncipe saudita e os membros de seu séquito em suas visitas a Londres, segundo o jornal The Sunday Times.Documentos confidenciais filtrados pelo jornal indicam que o dinheiro procedente desse fundo, no qual havia supostamente £ 60 milhões (R$ 240 milhões), serviram para pagar aluguéis, hipotecas e despesas de cartões de crédito, entre outros, das atrizes Anouska Bolton Lee e Karajan Mallinder.A BAE canalizou o dinheiro através de uma companhia de viagens londrina que financiou os serviços de "hospedagem e apoio logístico" ao príncipe Turki bin Nasser e outros personagens do governo saudita que participaram de um contrato de armas no valor de £ 40 milhões, informa a publicação.Uma investigação do Escritório Antifraude do Reino Unido em torno dos supostos subornos da BAE foi suspensa por ordem do governo de Tony Blair em dezembro, depois que os sauditas ameaçaram com represálias comerciais e de outros tipos caso ela continuasse.Riad disse a Londres que suspenderia futuros pagamentos relacionados com esse contrato e deixaria de colaborar com os britânicos em matéria de informação, a menos que pusesse fim a essas investigações.O procurador-geral, lorde Goldsmith, justificou a suspensão da investigação ao Parlamento argumentando que prejudicava o "interesse nacional" do Reino Unido, o que gerou fortes protestos.Turki bin Nasser, que é casado com uma sobrinha do rei Abdullah, estava na ocasião à frente da Força Aérea de seu país e foi o responsável pela compra de 150 caças militares Hawk e Tornado da BAE Systems.O Sunday Times fornece ainda detalhes dos pagamentos efetuadosàs duas atrizes nos anos de 2001 e 2002.Uma delas, Karajan Mallinder, disse desconhecer a existência de um fundo secreto, mas admitiu ser amiga de Tony Winship, gerente da BAE e ex-comandante da Royal Air Force, detido em 2005 após ser acusado de tramitar esse fundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.