Empresa chinesa nega relação com mísseis iranianos

Uma das quatro empresas acusadas pelosEstados Unidos de ajudar o Irã em seu programa nuclear, The China Great Wall Industry Corp., negou ter qualquer relação com o desenvolvimento dos mísseis iranianos, enquanto o governo chinêsconsiderou as sanções impostas pelos americanos "irresponsáveis", afirma neste sábado a agência "Xinhua". Em um comunicado, a empresa ligada à indústria espacial afirmou sua "firme rejeição" à decisão americana de congelar seus ativos no EUA, onde opera através da GW Aerospace Inc., com sede naCalifórnia. "The China Great Wall Industry Corp. (CGWIC) nunca prestou ajuda a nenhum país que desenvolva armas de destruição em massa", disse a companhia no mesmo documento, além de anunciar que se reserva odireito de utilizar meios legais caso o governo americano não retire as acusações. O Departamento do Tesouro americano anunciou na terça-feira que imporia sanções a quatro firmas chinesas, acusadas de fornecer componentes para mísseis ou tecnologia que poderiam ter usosMilitares. A resposta de Pequim foi rápida. "O governo dos EUA não mostrou uma só prova antes de congelar as transações das quatro companhias chinesas. Isto é completamente inaceitável e irresponsável", disse a porta-voz do Ministério de Relações Exteriores chinês, Jiang Yu. "O governo chinês se opõe firmemente à proliferação de armas de destruição em massa e não permite a nenhuma companhia ou indivíduo que apóie ou se envolva em sua proliferação", acrescentou aporta-voz. Pequim afirma que as sanções ignoram a legislação internacional e são "um desrespeito à soberania de outros países". As outras três companhias que sofreram sanções são Beijing AliteTechnologies Company Ltd., LIMMT Economic and Trade Company Ltd. e China National Precision Machinery Import/Export Corporation.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.