Empresa culpa comandante de navio por naufrágio na Itália

Acidente ocorrido com o navio Costa Concordia deixou 5 mortos; havia 53 brasileiros a bordo

15 de janeiro de 2012 | 20h58

Navio Costa Concordia se dirigia do porto de Civitavecchia ao de Savona, ao norte da Itália

 

(Atualizada às 21h27 para acréscimo de informações)

 

A empresa Costa Cruzeiros divulgou nota culpando o capitão Francesco Schettino pelo naufrágio do navio Costa Concordia, que levava 4.200 a bordo. O acidente aconteceu na noite da sexta-feira, 13, próximo à ilha de Giglio, norte da Itália.

 

No comunicado, a empresa diz estar colaborando com a Justiça e que pesam 'graves acusações' contra o comandante, que teria cometido um "erro de julgamento" com "consequencias graves". "A rota seguida pelo navio estava muito próxima da costa e parece que suas decisões no gerenciamento da emergência não seguiram os procedimentos da Costa Cruzeiros, que estão de acordo e em alguns casos vão além dos padrões internacionais", diz a nota da empresa.

 

Capitão é suspeito de homicídio culposo

 

Schettino foi preso no sábado, 14, pela suspeita de homicídio culposo (sem a intenção de matar) e nega todas as acusações. Ele está sendo questionado pela polícia e alega que o sistema de navegação não mostrava obstáculos no local do acidente. Ele também negou que tenha deixado a embarcação sem prestar auxílio aos passageiros e afirmou que só deixou o navio após terminar o processo de retirada dos ocupantes.

 

Em uma entrevista transmitida pela TV italiana, ele foi questionado se seguiu a máxima de que "o capitão é o último a deixar o barco". "Fomos os últimos a deixar o navio", respondeu.

 

O capitão afirmou ainda que, de acordo com as informações de que tinha no momento do acidente, as rochas que provocaram a ruptura do casco do navio não foram detectadas pelo sistema de navegação automática da embarcação.

 

Segundo ele, as cartas náuticas não indicariam a presença de rochas no local. "Não deveríamos ter tido esse impacto', afirmou. "Pelas informações que tinha, estávamos a mais ou menos a 300 metros das rochas."

 

Lua de mel

 

Neste domingo, os mergulhadores que vasculhavam a embarcação encontraram dois corpos, de dois homens. Três corpos já haviam sido encontrados no sábado - de dois passageiros franceses e um tripulante peruano. Outras três pessoas haviam sido encontradas dentro do navio com vida: um casal sul-coreano em lua de mel e um tripulante, que sofreu ferimentos na perna. A maioria dos ocupantes do navio era de italianos, alemães e franceses. Também havia 53 brasileiros a bordo, sendo 47 passageiros e seis tripulantes. Nenhum brasileiro ficou ferido e muitos já retornaram ao país.

 

Mergulhadores continuam tentando vasculhar as partes submersas do navio, que tombou lateralmente. A embarcação havia deixado o porto de Civitavecchia na manhã de sexta-feira para um cruzeiro de uma semana pelo mediterrâneo.

 

(Com informações de BBC e Reuters)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.