Empresa de fuzil usado em Newtown é colocada à venda

Grupo detentor da marca AR-15 Bushmaster decide vender sua holding no setor de armas após massacre na escola, na sexta-feira

DENISE CHRISPIM MARIN, CORRESPONDENTE / WASHINGTON, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2012 | 02h01

Motivada pela tragédia em Newtown, a empresa de investimentos e private equity (de participações) Cerberus Capital Management anunciou ontem sua decisão de vender a holding Freedom Group, seu braço do setor de armas e munições e fabricante dos produtos Bushmaster e outras 11 marcas. Adam Lanza usou um fuzil AR-15 Bushmaster na chacina de 20 crianças e 6 adultos na escola primária Sandy Hook, na sexta-feira.

Segundo a rede de TV Bloomberg News, o executivo-chefe da Cerberus, Stephen Feinberg, disse que iniciaria o processo de venda do Freedom Group "imediatamente". Republicano e entusiasta do uso e comércio de armas, Feinberg controla outras empresas do setor, como a IAP Worldwide Services e a provedora de satélites GeoEye. Um dos motivos para vender o Freedom Group seria o fato de que seu pai é morador de Newtown.

Oficialmente, a diretoria da Cerburus declarou, em comunicado, que a tragédia levou o debate sobre o controle de armas nos Estados Unidos a um nível sem precedentes. "O debate está essencialmente centrado no equilíbrio entre a segurança pública e o escopo dos direitos constitucionais previstos na 2.ª Emenda", disse a empresa.

"Como companhia, nós somos investidores, não formuladores de políticas públicas. Não é nosso papel tomar posições ou tentar influenciar o debate político sobre o controle de armas. Esse é o trabalho dos nossos legisladores federais", completou, eximindo a Cerberus de responsabilidade na tragédia de Newtown.

O Freedom Group surgiu em 2006, quando a Cerberus comprou a Bushmaster, empresa fundada em 1973 e líder no fornecimento de rifles AR15. Além da Bushmaster, o Freedom Group agrega outras 11 marcas e é o maior fabricante de armas comercializáveis nos EUA, com 11 fábricas, 6 centros de engenharia e 1 de distribuição.

Com sede em Madison, no Estado da Carolina do Norte, o grupo emprega 2.600 funcionários, exporta seus produtos para 80 países e estima um faturamento de US$ 900 milhões este ano.

O jornal The New York Times apontou ontem a brasileira Taurus como potencial compradora do Freedom Group. Outro interessado seria o Herstal Group, da Bélgica. A diretora de Relacionamento com o Investidor da Taurus, Doris Wilhelm, informou, por meio da assessoria de imprensa, não haver nenhum decisão nesse sentido.

A pressão pela venda teria partido do Sistema de Aposentadoria dos Professores do Estado da Califórnia, maior fundo de pensão da categoria nos EUA, que investe US$ 600 milhões na Cerberus. Outro fundo, de funcionários públicos da Califórnia, também teria decidido rever investimentos na empresa após a tragédia. / COLABOROU ROBERTO SIMON

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.