Empresa de produtos militares sofre ataque cibernético

A Lockheed Martin, fabricante de equipamentos militares, disse ontem que tinha tido sucesso no combate a um ataque "importante e tenaz" feito contra seu sistema de informação. A equipe de segurança da informação da empresa detectou o ataque quase que imediatamente e adotou "ações agressivas" para proteger o sistema e os dados, informou a companhia em comunicado.

NALU FERNANDES, Agência Estado

29 de maio de 2011 | 09h35

Não foi fornecida informação sobre as medidas específicas adotadas. "Como resultado da ação rápida adotada pra proteger a rede e elevada segurança de TI, nossos sistemas permanecem seguros", afirmou a empresa. "Nenhum cliente, programa ou dados pessoais de funcionários foram comprometidos."

O incidente está sob investigação, e a Lockheed Martin disse que estava mantendo informadas as agências do governo norte-americano. Não houve menção sobre suspeitos do ataque cibernético. Apesar do ataque, a empresa afirmou que permanece confiante na integridade de seu "robusto" sistema de segurança.

Oficiais do governo norte-americano disseram que as consequências para o Pentágono e outras agências derivadas do ataque foram "mínimas" e não era esperado efeito colateral em suas operações.

A companhia é uma das maiores dos EUA na área de Defesa, sendo que 74% de sua receita em 2009 veio de vendas militares, segundo relatórios divulgados. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
internetciberataque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.