Empresa dos EUA pode ter sido espionada por Murdoch

Gráfica afirma que teve dados confidenciais violados por hackers por rejeitar proposta de compra de magnata

Denise Chrispim Marin, O Estado de S.Paulo

22 de julho de 2011 | 00h00

O escândalo dos grampos envolvendo os jornais britânicos de Rupert Murdoch pode ter antecedentes nos Estados Unidos. A pedido do senador Frank Lautenberg, o Departamento de Justiça e o FBI deverão incluir em suas investigações sobre as práticas das companhias de Murdoch no país um processo judicial movido pela empresa Floorgraphics contra a concorrente News America Marketing, em 2009, por acesso ilegal a dados confidenciais de seus computadores.

  

Veja também:

link Relação entre jornais de Murdoch e polícia começou com caso Ronald Biggs

link Jornalista veterano do jornal 'The Sun' cai após escândalo das escutas

link OPINIÃO: A venda da privacidade

 

Cinco anos antes, os donos da Floorgraphics, Richard e George Rebh, receberam da News America Marketing, empresa do grupo de Murdoch, uma oferta de compra da gráfica de New Jersey. Ao recusar a proposta, os irmãos Rebh foram advertidos: "Se entrarem em nosso negócio, nós destruímos vocês", teriam dito os executivos da News America.

Em quatro meses de 2004, os computadores da Floorgraphics sofreram 11 ataques de hackers. Rastreadas, essas invasões levaram os investigadores à sede da News America, em Connecticut. O assunto virou tema para o FBI e o serviço secreto americano.

Logo depois dos ataques cibernéticos, a Floorgraphics começou a perder seus mais importantes clientes, entre os quais os supermercados Safeway. Boa parte desses contratos foi absorvida pela News America.

A empresa dos irmãos Rebh demitiu 60 de seus 85 empregados. Em 2009, entrou na Justiça contra as práticas da News America. Um acordo, pelo qual a empresa de Murdoch comprometeu-se a pagar US$ 29,5 milhões aos irmãos Rebh, pôs fim ao processo.

As companhias de Murdoch estão sendo investigadas pelo Departamento de Justiça e pelo FBI pela suposta tentativa de grampear telefones de parentes das vítimas dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA.

 

Leia mais:

lista ENTENDA: O escândalo dos grampos na Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.