EFE/Thais Llorca
EFE/Thais Llorca

Empresa enviará cruzeiro para resgatar 2 mil turistas no Caribe 

Holanda diz que situação da segurança em Saint Martin é grave; mortes causadas pelo Irma no Caribe sobem a 27

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 05h00

MIAMI - A linha de cruzeiros Norwegian Cruise Line (NCL) anunciou no domingo que enviará uma de suas embarcações atracadas no México para Saint Thomas, nas Ilhas Virgens americanas, para resgatar 2 mil pessoas afetadas pelo furacão Irma. Em razão da tempestade, o navio Norwegian Sky sairá da costa de Cancún para retirar os turistas que não foram capazes de deixar a ilha antes da chegada do Irma.

“O barco zarpará imediatamente para esta missão de resgate e deve chegar à ilha de Saint Thomas na segunda-feira (hoje) à tarde. Posteriormente, ele navegará até o seu porto base, em Miami”, indicou a NCL em comunicado.

No fim de semana, a empresa decidiu também cancelar as saídas e determinou uma alteração em todas as suas rotas que passam pelas ilhas do Caribe Oriental, pelo menos até novembro.

No domingo, o governo da Holanda anunciou que mais duas mortes foram registradas em Saint Martin, cuja administração é dividida com a França. O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, lamentou a situação precária dos 40 mil moradores da ilha e afirmou que a situação de saques é grave.

Nas ruas, há muitas pessoas com revólveres e armas brancas e a segurança, segundo Rutte, passou a ser prioridade. O rei da Holanda, Guilherme Alexandre, viajou no fim de semana para Curaçao para acompanhar o socorro à região.

O Irma deixou um rastro de destruição também nas ilhas de Saint Barthélemy, Antígua, Barbuda, Porto Rico, Haiti, República Dominicana, Anguilla, Saint Kitts e nas Ilhas Virgens britânicas e americanas. O número de mortos da passagem do furacão pelas ilhas do Caribe subiu para 27.

Em Barbuda, 95% das casas foram destruídas e metade da população está desabrigada. Em Saint Martin, 70% das construções sofreram algum tipo de dano e estão inabitáveis.

O presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou que visitará amanhã a ilha de Saint Martin. A decisão ocorre em um momento de pressão e de questionamento a respeito da resposta do governo francês à devastação causada pelo furacão em seus territórios caribenhos. Macron anunciou também um “plano nacional de reconstrução” para as ilhas, acrescentando que será criado um fundo de emergência.

José

O furacão José ganhou força no domingo e chegou à categoria 4, com ventos de até 240 km/h. O fenômeno, no entanto, tomou uma direção diferente do Irma, seguindo mais para o norte, poupando algumas ilhas caribenhas já completamente destruídas pelo furacão anterior. 

O aviso de furacão foi suspenso em Antígua e Barbuda. O primeiro-ministro, Gaston Browne, havia determinado a retirada de todos os moradores para a ilha de Antígua, a 60 quilômetros de distância - todos foram transferidos de ferryboat. / AP, REUTERS e EFE

Mais conteúdo sobre:
furacão Caribe [América Central]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.