Empresa francesa poderá tratar resíduos nucleares na China

A companhia francesa Areva, maior construtora de reatores nucleares do mundo, está em negociações com a Corporação Nuclear Nacional da China (CNNC) para construir a primeira central de tratamento de resíduos nucleares em território chinês, informou nesta quarta-feira, 25, o jornal oficial Shanghai Daily."Queremos construir uma usina de reprocessamento e tratamento de resíduos nucleares para a empresa chinesa", afirmou Marc Anniel, diretor de vendas da Areva na Ásia. "O mercado chinês de tratamento de resíduos é enorme e poderia chegar ao nível da França", avaliou.Os governos chinês e francês ainda não começaram as conversas formais sobre a possibilidade de construir a central, disse Anniel. Ele não quis revelar o possível valor do contrato.A estatal espanhola Enresa "não tem ainda projetos na China", mas está participando de uma feira nuclear em Xangai para "buscar potencialidades", explicou à Efe José Luis González, chefe do departamento de relações internacionais da divisão de gestão corporativa.A China utiliza reatores nucleares desde os anos 80, e ainda não conta com instalações apropriadas para a gestão dos resíduos.Os nove reatores nucleares em funcionamento produzem 2,3% da energia consumida na China. O objetivo da CNNC é elevar a percentagem para 4% até 2020, com mais de 30 reatores.Areva, Westinghouse e General Electric, entre outras, disputam um mercado que prevê a construção de pelo menos 26 reatores até 2020.A China deve começar a construir duas centrais de processamento de resíduos nucleares no leste e sudoeste do país por volta de 2010, segundo afirmou a Comissão de Ciência, Indústria e Tecnologia dse Defesa Nacional, na semana passada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.