Empresa iraniana é acusada de burlar sanções dos EUA

Promotores da cidade de Nova York disseram que uma empresa estatal iraniana do setor de transporte marítimo burlou as sanções impostas pelos Estados Unidos. A companhia teria aberto empresas de fachada e, dessa forma, conseguido remeter milhões de dólares por meios de bancos norte-americanos.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2011 | 12h10

Segundo o jornal The New York Times, o promotor distrital de Manhattan, Cyrus Vance Jr., abriu hoje um processo com 317 acusações contra a Linhas de Transporte da República Islâmica do Irã, conhecida como Irisl, e contra outras 15 pessoas.

A empresa e as pessoas são acusadas de conspiração para estabelecer empresas de fachada em Cingapura, nos Emirados Árabes Unidos e na Grã-Bretanha, para enganar bancos de Nova York e fazer com que eles enviassem e recebessem mais de US$ 60 milhões.

O jornal afirma que as transações fazem parte dos esforços do Irã na obtenção de tecnologia proibida para seus programas nucleares e de mísseis. Funcionários da Irisl não responderam aos e-mails com pedidos de esclarecimento sobre o assunto. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IrâEUAsançõesempresafraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.