Italian Firefighters Press Office/Handout via REUTERS
Italian Firefighters Press Office/Handout via REUTERS

Empresa italiana adiou restauração de ponte, diz jornal

A Autoestrade per I’Italia adiara trabalhos para depois da temporada de férias; número de mortos subiu para 39 e há 12 desaparecidos

O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2018 | 20h54

ROMA  - A empresa Autoestrade per I’Italia – concessionária de rodovias na Itália – adiou para depois da temporada de férias de verão na Europa obras para reforçar a viga da ponte central na rodovia de Gênova, que caiu na terça-feira, matando 39 pessoas.

A informação é do jornal italiano La Stampa, segundo o qual aparelhos para monitorar a capacidade da ponte não tinham sido instalados. Isso teria levado a erro nos cálculos sobre a urgência da restauração. “Tratava-se de uma obra delicada, complexa e invasiva, que tinha de começar depois das férias de verão de agosto”, afirmou o jornal. 

Um relatório da própria Autostrade, de 2011, alertava para degradação intensa da ponte, que necessitaria de uma manutenção contínua por anos. 

Em resposta às acusações do governo de que havia adiado a manutenção do viaduto, a empresa afirmou ter feito investimento de € 1 bilhão (R$ 4,43 bilhões) para a segurança das autoestradas italianas em geral, colocando-as entre as mais seguras da Europa. 

O governo da Itália anunciou que estuda a possibilidade de anular o contrato de concessão com a empresa. “Para começar, os dirigentes da Autostrade per l’Italia (filial do Grupo Atlantia, que administra também estradas no Brasil) devem se demitir. E, considerando que houve graves falhas, iniciamos os procedimentos para uma eventual revogação das concessões e para aplicar multas de até € 150 milhões (R$ 664 milhões)”, anunciou no Facebook o ministro de Infraestrutura e Transporte, Danilo Toninelli.

“As empresas que administram nossas estradas embolsam os pedágios mais caros da Europa, enquanto pagam concessões a preços vergonhosos. Recebem bilhões, pagam uns poucos milhões de impostos e nem mesmo realizam a manutenção necessária para pontes e estradas”, reclamou Toninelli. 

A Procuradoria de Gênova abriu uma investigação criminal para esclarecer as causas do desabamento. “Não foi uma fatalidade, mas sim um erro humano”, disse o procurador-geral de Gênova, Francesco Cozzi, à emissora estatal RAI.

O vice-premiê Matteo Salvini disse que o desabamento mostrou a importância de se aumentar os investimentos e insinuou que os limites impostos pela União Europeia aos gastos do país, dentro das políticas de austeridade, podem “colocar vidas em risco”. Em comunicado, a Comissão Europeia respondeu que não responderia a essas acusações. 

O governo italiano, que fez nesta quarta-feira uma reunião de ministros em Gênova, decretou estado de emergência na cidade por 12 meses. A decisão foi anunciada pelo primeiro-ministro Giuseppe Conte, assim como a criação de um fundo de € 5 milhões (R$ 22,16 milhões) para a cidade.

Os 215 metros da Ponte Morandi, que tem 1.182 metros de extensão e uma altura de 45 metros, da pista até o solo, vieram abaixo. Equipes do Corpo de Bombeiros continuavam com as buscas com a ajuda de cães farejadores e escavadeiras.

+ Concessionária de viaduto que caiu na Itália administra estradas no Brasil

Uma dúzia de pessoas ainda estava desaparecida nesta quarta-feira, entre elas uma família que seguia de férias para a Ilha de Elba. “Não chegaram ao hotel. Não atendem o telefone. A essa hora provavelmente estavam cruzando a ponte”, disse angustiado Antonio, um parente.

O número de vítimas da tragédia chegou a 39 e o dos feridos, a 15, com 12 em estado grave. “Não consigo aceitar isso. Não pode ser verdade, sinto como se estivéssemos em um filme”, declarou Francesco Bucchieri, de 62 anos, testemunha do desabamento.

As autoridades avaliam a possibilidade de demolir completamente a ponte, que agora parece um trampolim gigante sobre os imponentes edifícios do Bairro de Sampierdarena. Todos seus moradores, cerca de 600 pessoas, foram retirados do local por medo de que outra parte possa cair.

Vítimas

As autoridades italianas identificaram ontem a maioria das vítimas e apenas cinco delas não tinham sido identificadas. Entre os italianos havia uma família inteira de Campomorone – o pai, de 44 anos, a mãe, de 41, e o filho, de apenas 9 anos – segundo a agência Ansa.

 O governo da França confirmou que havia três franceses entre os mortos. Pelo menos 5 das 39 vítimas são da América Latina: 3 do Chile, 2 da Colômbia e 1 do Peru. 

O funeral das vítimas ocorrerá sábado. A cerimônia será celebrada pelo cardeal de Gênova, Angelo Bagnasco, e terá a presença do presidente italiano, Sergio Mattarella, e outros membros do governo.  / AFP, EFE, W. POST, NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.