Empresa nega falha técnica na queda de avião na Rússia

A empresa Linhas Aéreas da Armênia desmentiu nesta quarta-feira que a queda do Airbus A-320 no Mar Negro, perto da cidade russa de Sochi, tenha sido provocada por falhas técnicas, como afirmaram analistas russos. "O avião estava em um estado técnico ideal e tinha uma tripulação experiente", disse à agência russa Itar-Tass o subdiretor da companhia aérea, Andrei Agadzhan. A bordo do Airbus, que caiu a cerca de cinco quilômetros de Sochi, havia 105 passageiros, sendo seis crianças, e oito tripulantes. Agadzhan explicou que devido ao mau tempo a tripulação tinha tomado a decisão de retornar a Yerevan, capital da Armênia, origem do vôo. Mas o controle aéreo do aeroporto de Adler, da cidade de Sochi, para onde se dirigia a aeronave, informou que o tempo tinha melhorado. Quando o avião se aproximava de Adler, o tempo voltou a piorar e a tripulação se viu obrigada a repetir a manobra de aterrissagem.Instantes depois o aparelho desapareceu das telas dos radares. Segundo analistas russos, o avião caiu num ângulo de 60 graus e seus destroços estão a uma profundidade de aproximadamente 300metros, a cerca de cinco quilômetros da costa. Polícia descarta terrorismoFontes policiais russas descartaram a possibilidade de um atentado terrorista. Uma fonte citada pela agência oficial russa Itar-Tass informou que ninguém na região viu nem ouviu explosões.Além disso, a grande mancha de óleo e combustível no mar, no local do acidente, não pegou fogo. Portanto, o avião caiu intacto, disse a fonte. Os especialistas vão examinar os corpos e só então poderão tirar conclusões, acrescentou. Representantes das Linhas Aéreas da Armênia e do Departamento Geral de Aviação Civil do governo da Armênia vão se reunir em Sochi com as famílias dos mortos, anunciou Agadzhan. Entre os desaparecidos está um ex-diretor-geral da companhia, Viacheslav Yaralov. Apesar da forte chuva, que limitava a visibilidade a cerca de 120metros, mais de 10 navios de resgate com equipes de mergulhadores rastreia a área do acidente procurando os corpos das vítimas. Uma enorme mancha de óleo, restos da bagagem fragmentos da fuselagem do avião e coletes salva-vidas marcam o local da queda, disse à Interfax um porta-voz do Estado-Maior, que coordena ostrabalhos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.