Empresa sul-coreana paga resgate a piratas somalis

Uma empresa marítima da Coréia do Sul pagou resgate a piratas da Somália pela libertação de um navio cargueiro e dos 22 tripulantes que retidos pelos piratas há mais de um mês, informou hoje um representante da empresa sob a condição de anonimato. Os tripulantes - oito sul-coreanos e 14 birmaneses - foram libertados ontem junto com o navio Bright Ruby, seqüestrado na costa da Somália em 10 de setembro."Os marinheiros foram soltos após o pagamento do resgate", disse à Associated Press o funcionário da J&J Trust, proprietária do navio, sem revelar o valor do resgate, que foi pago em dinheiro. Uma autoridade do Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Sul, que também falou sob a condição de anonimato, confirmou o pagamento.O navio libertado hoje seguia para um porto do Sri Lanka e planejava retornar para a Coréia do Sul e para Mianmar no fim deste mês, segundo a empresa marítima e o governo sul-coreano. O seqüestro levou o governo da Coréia do Sul a considerar o despacho de embarcações navais para áreas em torno da Somália a fim de conter possíveis seqüestros de navios sul-coreanos. Até agora, 29 embarcações foram seqüestradas por piratas este ano no Chifre da África, incluindo um navio ucraniano carregado com armas, para cuja libertação os piratas exigem o pagamento de um resgate de US$ 8 milhões. O seqüestro desse navio, que carregava tanques e outras armas pesadas, aumentou as preocupações sobre o caos na região do Golfo de Áden, que é uma importante rota marítima.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.