Empresário argentino seqüestrado reaparece no Paraguai

O empresário argentino RubénVidal, seqüestrado há três dias na província de Buenos Aires,reapareceu nesta sexta-feira em Assunção dizendo que foiseqüestrado por ordem do ex-presidente Eduardo Duhalde e dosubprefreito da localidade de Lanús, nos arredores da capitalargentina. "Me tiraram da Prefeitura", disse Vidal a um canal detelevisão. O empresário de 52 anos desapareceu na tarde daterça-feira durante um protesto diante da subprefeitura deLanús. Horas depois, sua família recebeu um telefonema anônimoem que desconhecidos exigiam o pagamento de US$ 100 mil em trocade sua libertação. O caso veio a público quando a mulher de Vidal pediu emprantos, diante das câmeras de televisão, que os seqüestradoresde seu marido reiniciassem as comunicações. Hoje, quando estava reunida com o secretário daSegurança argentino para acompanhar o rumo das investigações,recebeu a notícia de que seu marido estava no Paraguai. Vidal se apresentou diante do Palácio do Governoparaguaio em Assunção às 11h30 (hora local) pedindo ajuda,argumentando que havia sido seqüestrado. A polícia o levou até asede da Interpol, onde o empresário disse à imprensa que "meuseqüestro se deve a razões políticas e responsabilizo (oex-governador de Buenos Aires e ex-presidente) Eduardo Duhalde ea polícia portenha por tudo o que meaconteceu...". Segundo Vidal, os autores materiais do seqüestro forampessoas próximas ao subprefeito de Lanús, o peronista ManuelQuindimil, a quem qualificou como "um mafioso" que já havia sidopor ele denunciado muitas vezes por corrupção e conivência com adelinqüência. Vidal não conseguiu explicar como chegou ao Paraguai nemonde esteve retido durante três dias, dizendo que havia perdidoa memória.

Agencia Estado,

30 de julho de 2004 | 18h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.