Empresário é preso acusado de chantagear Berlusconi

A polícia italiana prendeu nesta quinta-feira um empresário acusado de extorquir dinheiro do primeiro-ministro Silvio Berlusconi, em troca da cooperação numa investigação sobre o recrutamento de prostitutas para as festas na casa do premiê. Giampaolo Tarantini e sua mulher Angela Devenuto foram detidos na manhã desta quinta-feira em Roma e um terceiro suspeito ainda é procurado, informou a polícia em Nápoles. Berlusconi não está sob investigação neste caso.

AE, Agência Estado

01 Setembro 2011 | 13h18

Tarantini admitiu ter pago a prostituta de luxo Patrizia D''Addario e outras mulheres para participarem das festas nas residências de Berlusconi, mas afirma que o primeiro-ministro não sabia disso. Tarantini é investigado na cidade de Bari por promover e estimular a prostituição.

O promotor de Nápoles, Francesco Greco, disse que Berlusconi pagou despesas domésticas e legais de Tarantini com o objetivo de assegurar a cooperação do empresário nas investigações sobre prostituição em Bari.

Em entrevista por telefone à Associated Presse em Roma, Greco alegou que os pagamentos teriam como objetivo assegurar que Tarantini pediria um acordo em vez de permitir que o caso fosse a julgamento. A medida limitaria a possibilidade da divulgação de embaraçosas interceptações telefônicas sobre as mulheres que foram às festas de Berlusconi.

Greco não especificou a quantia paga, mas a revista Panorama, que divulgou a notícia sobre a investigação na semana passada, disse que Tarantini recebeu ? 500 mil (US$ 722 mil), além de pagamentos mensais subsequentes do premiê.

O suposto intermediário, Valter Lavitola, é procurado pela polícia.

Em comunicado, Greco disse que Lavitola agiu como facilitador dos pagamentos de Berlusconi e ajudou Tarantini a ter certeza de que eles continuariam a ser feitos.

Berlusconi não é investigado e é considerado vítima no caso, disse uma policial de Nápoles. O premiê disse que não se sentiu vítima de Tarantini e afirma que estava apenas ajudando uma família em necessidade.

"Eu ajudei uma pessoa e uma família com crianças que se encontravam e ainda se encontram em sérias dificuldades financeiras", disse Berlusconi à revista Panorama, que faz parte de seu império de mídia. "Eu não fiz nada ilegal. Limitei-me a ajudar um homem desesperado sem pedir nada em troca. Foi isso que eu fiz e nada vai mudar isso." As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
ItáliaBerlusconichantagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.