Ilha onde Obama passou férias com bilionário britânico é destruída pelo furacão

O empresário britânico Richard Branson vive na ilha Necker, comprada em 1978; o ex-presidente americano passou alguns dias de férias no local após deixar a Casa Branca

O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2017 | 17h45

SAN JUAN - A ilha onde o ex-presidente Barack Obama passou férias com o amigo, empresário e filantropo britânico Richard Branson, fundador do Grupo Virgin, foi destruída na passagem do furacão Irma no Caribe. 

Branson está em Porto Rico, de onde coordena ajuda para as Ilhas Virgens Britânicas, onde fica a ilha Necker, de sua propriedade, e outras do Caribe. Ele defendeu que a região precisa de um "Plano Marshal" para sua recuperação. 

Branson indicou hoje em um post divulgado na página na internet do Grupo Virgin que as comunicações funcionam de modo muito precário. A ilha foi comprada por ele em 1978 e o empresário vive nela desde 2013. Branson divulgou em seu Instagram imagens de sua propriedade destruída. 

 

Ele disse ter conversado com vários governos, agências de ajuda e meios de comunicação para "ajudar a recuperação na região". O governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, agradeceu publicamente a Branson por seus esforços. 

O empresário afirmou que, após ter estado em Virgem Gorda, que centenas de milhares de pessoas perderam suas casas por esse furacão "feroz" e várias equipes de seu grupo estavam distribuindo água e comida para a população. 

Segundo Branson, os habitantes nas Ilhas Virgens Britânicas necessitam de ajuda urgentemente. Ele alertou que o governo britânico tem um "papel de suma importância na recuperação desses territórios, tanto a curto prazo como nos gastos a longo prazo para reforçar as estruturas das ilhas.

Depois de deixar a presidência, em janeiro, Obama e sua família passaram alguns dias de férias na ilha Necker. / EFE  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.