Empresários apóiam aliança proposta por Duhalde

O empresariado na Argentina recebeu bem o convite do presidente Eduardo Duhalde para a formação de uma ?aliança? entre o governo e os setores produtivos, embora esboçando uma certa cautela. O discurso pareceu apropriado, mas, antes de dar uma opinião definitiva, os empresários querem ver o pacote de medidas econômicas, cujo anúncio foi adiado para este sábado, mantendo o país todo em suspenso. ?O mais importante para nós é a modificação da aliança, que antes era com o setor financeiro, e agora passa a ser com o setor produtivo?, disse ao Estado Cesar Torturella, vice-presidente da Confederação Geral Empresarial, que representa as pequenas e médias empresas. A anterior ?aliança com o setor financeiro?, à qual se referiu o presidente, consistiu, no entender de Torturella, na prioridade dada pelo governo ao pagamento dos juros ?altíssimos? da dívida: ?Durante mais de dez anos, tivemos paridade entre o dólar e o peso, mas, mesmo assim, pagávamos juros de no mínimo 24% ao ano, quando noutros países é de 5% ou 6%?. O governo poderá dar provas de sua nova intenção, estima o dirigente, deslocando a concessão de créditos do Banco de la Nación dos grandes para os pequenos investidores e reabrindo o Banco de Desenvolvimento, fechado em 1991, na reforma do Estado promovida pelo presidente então Carlos Menem. Torturella acha que agora a Argentina deve fazer como o Brasil, que se ocupa de ?gerar trabalho? e de incentivar a ?compra dos produtos locais?. ?A questão não é a indústria decidir colaborar com o governo?, disse uma fonte da Associação de Fábricas de Automotores (Adefa). ?Essa decisão já foi tomada. Depois de 42 meses de recessão, a indústria automobilística não promoveu demissões. Sempre que lhe pediram sua colaboração, ela deu.? A Adefa, equivalente argentina da Anfavea, só vai pronunciar-se oficialmente depois do anúncio das medidas econômicas. Aldo Roggio, da construção civil, advertiu que a desvalorização do peso criará uma situação difícil para o setor, que trabalha com insumos importados. ?Mas faremos tudo para seguir em frente.? A União Industrial Argentina se mantinha acéfala nesta sexta-feira, com a nomeação de seu presidente, José Ignacio Mendiguren, para o cargo de ministro da Produção. A desvalorização também vai dificultar a vida das empresas brasileiras que exportam para a Argentina, mas deverá favorecer aquelas que produzem no país. Segundo Elói de Almeida, presidente do Grupo Brasil, que reúne 190 empresas brasileiras com negócios na Argentina, as que exportam são as fabricantes de eletrodomésticos, telefones celulares, computadores, impressoras e outros produtos eletrônicos. Por outro lado, empresas como a Decca, Tigre, Klabin, Suzano, Brahma, Sadia e Marcopolo têm fábricas na Argentina, e terão, em tese, mais facilidade de exportar, com a desvalorização. A indústria local, sucateada, não tem como competir com os fabricantes brasileiros que exportam para a Argentina, mas o país pode passar a importar mais de concorrentes do Brasil, como os asiáticos, diz Elói. De qualquer maneira, dificilmente a situação pode piorar. A queda do real frente ao dólar e a recessão na Argentina levaram as empresas brasileiras a reduzir em 30% a 40% seus investimentos no país em 2002. Leia o especial

Agencia Estado,

04 Janeiro 2002 | 18h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.