Empresários argentinos querem mais competividade

Representantes de entidadesempresariais argentinas pediram hoje ao presidente interinoAdolfo Rodríguez Saá medidas urgentes para aumentar acompetitividade da economia. "Foi a perda de competitividade dos produtos argentinos quenos trouxe a essa situação de crise e é preciso agora recuperaro terreno perdido", disse na saída do encontro o presidente daUnião Industrial Argentina (UIA), José Ignacio de Mendiguren.Entre as medidas que poderiam aumentar a competitividade daprodução argentina, segundo os empresários, estariam a redução deimpostos e baixa das taxas de juros. Eles foram cautelosos aocomentar a possibilidade de acabar com a lei de convertibilidade, criada pelo ex-ministro da Economia Domingo Cavallo há dez anospara assegurar a paridade entre o peso e o dólar. Nos últimosdias circularam versões de um documento da UIA que recomendavaao governo promover a desdolarização da economia, adotando umsistema cambial de livre flutuação da moeda, que levariainevitavelmente à desvalorização do peso. A desvalorização é vista como uma das medidas que poderiarestituir competividade aos produtos argentinos no exterior,porém seria altamente impopular. Mesmo antes de assumir o cargo,Rodríguez Saá assegurou que a convertibilidade entre o peso e odólar será mantida. Ao mesmo tempo, anunciou a criação de uma terceira moeda parainjetar dinheiro na economia, recuperar as vendas, estimular aprodução e aumentar o nível de emprego.Distorção - Sem querer falar explicitamente na questão da convertibilidade os líderes empresariais disseram, depois de encontrar opresidente, que existe na economia argentina hoje uma grandedistorção nos preços relativos. Ou seja, com a camisa de forçarepresentada pela paridade entre o peso e o dólar, muitosprodutos argentinos ficaram caros para competir no mercadoexterno. O resultado, foi recessão, desemprego e crise social.Além de Mendiguren, participaram da reunião dirigentes deentidades rurais, do setor da construção e do mercadofinanceiro.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.