Empresários privados são as estrelas do congresso

Suas histórias de rápido enriquecimento foram destacadas como novos exemplos a serem seguidos

Pequim, O Estadao de S.Paulo

22 de outubro de 2007 | 00h00

Foi-se o tempo em que os operários, ou pelo menos seus representantes, eram as principais estrelas do congresso do Partido Comunista chinês, realizado sempre a cada cinco anos. Neste congresso, o 17º desde a fundação do PC, em 1921, quem brilhou com uma intensidade desproporcional foram os empresários privados, os diretores de estatais e até banqueiros, todos filiados ao partido. Eles praticamente monopolizaram as conferências de imprensa organizadas pelo Partido Comunista, as manchetes dos jornais oficiais e o noticiário da CCTV, a rede estatal de televisão. O clima de reunião de elite ficou comprovado pela frota de Audis A6 de delegados e líderes do partido que lotou ontem o estacionamento do Grande Salão do Povo, onde o congresso vem sendo realizado em Pequim.À parte esporádicas entrevistas com ídolos nacionais considerados modelos socialistas - como o astronauta Yang Liwei e alguns atletas olímpicos -, o proletariado foi praticamente ignorado na cobertura da mídia estatal. Empresários filiados ao partido com histórias de rápido enriquecimento são os novos exemplos de sucesso a serem seguidos. É o caso da delegada Chen Ailian, da Província de Zhejiang, na costa leste da China. Dona de uma holding que, entre outras atividades, é a maior fabricante de rodas de liga de alumínio da Ásia, Chen desembarcou diante do Grande Salão do Povo - na Praça da Paz Celestial (Tiananmen) - num Rolls Royce, vestindo roupa de grife e sapatos de salto alto. Ela começou sua carreira de empresária com um empréstimo de US$ 66 mil dólares em 1994 e, no ano seguinte, destaca a mídia estatal, filiou-se ao Partido Comunista. "Somos estereotipados", desabafou Chen, de 49 anos, referindo-se aos empreendedores como ela. "Assim como os trabalhadores, camponeses, intelectuais e militares, os empresários privados também estão ajudando a construir o socialismo com características chinesas", acrescentou a delegada.Chen é um dos 18 empresários privados que participam do 17º congresso do Partido Comunista na condição de delegados, 11 a mais do que na reunião anterior, em 2002, quando foram admitidos pela primeira vez. Só no ano passado, 1.554 empresários filiaram-se ao partido, compondo 14% do total de militantes desse "novo nível social" - como a mídia estatal refere-se a eles. O espaço cada vez maior dado a essa atividade mostra o avanço da economia de mercado na China, onde já existem mais empresas privadas do que estatais. Mas, apesar do crescimento, as empresas privadas empregam apenas 3,18 milhões das mais de 73 milhões de pessoas filiadas ao PC chinês. Isso significa que os militantes preferem as estatais ou mantêm uma ligação formal com o partido para não ter problema no emprego público.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.