EFE/ Rayner Pe
EFE/ Rayner Pe

Empresários venezuelanos salvam o governo de Nicolás Maduro

Sem alarde, líder da gestão bolivariana se aproxima de antigos rivais para tentar retomar a economia e permanecer na presidência

The New York Times, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2020 | 05h00

CARACAS - À medida que a Venezuela se aprofundava na crise econômica em 2017 e seu povo procurava uma saída um nome continuava emergir: Lorenzo Mendoza. O sobrenome é muito conhecido na Venezuela  -  o grupo Polar, um conglomerado do setor alimentício fundado pelo avô de Mendoza, havia se tornado a maior empresa privada do país. Sua farinha de milho, usada para fazer pratos nacionais muito consumidos, estava em todas as despensas, e sua cerveja era uma parte bem-vinda das reuniões sociais.

Como as políticas econômicas desastrosas do presidente Nicolás Maduro provocaram escassez de alimentos e uma crise de refugiados, Mendoza emergiu como um crítico franco de seu governo e a perseguição ao setor privado. Polido e eloquente, o empresário também ofereceu um forte contraste a presidente com costumes rudes. Sua popularidade é tanta que os pesquisadores o mediram contra Maduro em simulações de confrontos presidenciais.

Então, de repente, Mendoza desapareceu da vista do público, e Maduro parou de chamá-lo de " ladrão " , "parasita" e " traidor ". O governo cessou o assédio à Polar e começou, com  o tempo, a adotar as mudanças econômicas que Mendoza havia proposto, como acabar com o controle dos preços.

A história por trás de Mendoza e a trégua de Maduro, selada em uma reunião sigilosa em meados de 2018, descreve a aproximação entre o autodenominado governo revolucionário da Venezuela e a classe empresarial pela qual travou guerra por quase duas décadas.

O degelo improvável tem sido a pedra angular da recente transformação da Venezuela de um país onde o governo controlava de perto a economia - e derivava sua legitimidade dos benefícios que pôde oferecer ao seu povo - a um lugar governado por um autocrata disposto a permitir o capitalismo de fato a fim de evitar o colapso e garantir seu domínio contínuo do poder.

A reviravolta surpreendente dificilmente resolverá os problemas econômicos da Venezuela,  mas reacendeu setores da economia, incentivou alguns investimentos e permitiu que Maduro resistisse às sanções americanas e ao isolamento internacional. Para os empresários, as mudanças significaram voltar aos negócios.

"É muito difícil explicar que estamos em uma situação econômica muito ruim, mas que há otimismo", disse Ricardo Cusanno, chefe do maior grupo industrial da Venezuela, a Fedecámaras. "Pessoas sérias, as pessoas tradicionais estão decidindo continuar investindo."

Enquanto as outrora poderosas empresas estatais da Venezuela param, os ministérios de Maduro devolveram silenciosamente às operadoras privadas dezenas de empresas, incluindo hotéis icônicos e usinas de açúcar, que haviam se expropriado, segundo um consultor do governo que ajudou a elaborar o programa.

Trechos de terras desapropriados por Hugo Chávez, mentor e antecessor de Maduro, estão sendo arrendados a quem quiser trabalhar com eles. Ataques a empresas privadas deram lugar a reuniões cordiais entre ministros e líderes empresariais.

As rigorosas leis trabalhistas que impediam as empresas de demitir alguém sem a aprovação do governo agora são desconsideradas - agora, o governo fecha os olhos para demissões e desmantela sindicatos. As restrições comerciais bizantinas foram substituídas por isenções fiscais e incentivos à exportação.

No entanto, a maior concessão de Maduro é a que encerra os rígidos controles cambiais que pairavam sobre todas as transações econômicas. De repente, autorizados a usar dólares, os empresários venezuelanos importaram suprimentos e pagaram melhores salários, compensando parcialmente o colapso da produção estatal.

Certamente, após seis anos de contração econômica incessante, a Venezuela já é uma sombra de seu passado recente, que tinha uma economia extrativa que era fustigada pelo encolhimento das exportações de petróleo, comércio ilegal de ouro e iniciativa privada de pequena escala. Sob Maduro, o país perdeu quase três quartos de seu PIB, com quase nove entre dez venezuelanos lutando para atender às necessidades básicas.

No período, quase 5 milhões, do total de 30 milhões de habitantes do país, fugiram, privando empresas de clientes e trabalhadores. A recente liberalização econômica, porém, criou oportunidades para empresas capazes de se adaptarem a servir venezuelanos com dólares de sobra. 

A economia está muito reduzida, diz Cusanno,  mas "o fato de ainda estar meio viva é graças ao setor privado".

Para Entender

Venezuela: conheça os 6 generais que mantêm Maduro no poder

Mesmo com a pressão internacional e os protestos dentro do país, Nicolás Maduro continua no poder principalmente graças ao militares fieis ao chavismo

Reviravolta na relação com as empresas 

A relação entre o governo e pelas grandes empresas é uma reviravolta surpreendente de décadas de tensão. Em 2002, empresários lideraram um golpe fracassado contra Chávez. Mais tarde, as maiores empresas do país, incluindo a Polar, aderiram a uma greve nacional de 90 dias.

Contudo, a capacidade de Maduro de esmagar a oposição e suportar a pressão internacional deixou os líderes empresariais venezuelanos com uma escolha terrível: adaptar-se ou sair. Por seu lado, o governo percebeu que precisava de capital privado para sobreviver.

A família Mendoza, que transformou a Polar de uma pequena cervejaria na década de 1940 em um conglomerado de alimentos onipresente, sintetizou as elites tradicionais que Chávez prometeu varrer ao assumir o poder em 1999.

Antes da crise econômica, a empresa empregava 34 mil pessoas e alegava ser responsável por 3,3% do PIB nacional fora do petróleo. Enquanto Chávez regava os venezuelanos com o produto do boom do petróleo para construir o que ele chamava de "socialismo do século 21", o corporativismo antiquado da Polar oferecia uma alternativa.

Os benefícios generosos da empresa, incluindo desde acampamentos de verão a uniformes escolares, haviam conquistado a lealdade feroz de seus trabalhadores e a admiração da maioria dos venezuelanos.

O carismático Mendoza, de 54 anos, combinou habilmente igualitarismo no chão de fábrica com um elitismo desapegado em seu próprio meio social. O bilionário Mendoza se tornou a realeza social da Venezuela, reunindo a elite do país em festas que atraíram 1,5 mil pessoas para a mansão da família.

Para seus apoiadores, os Mendozas representavam o oposto dos princípios adotados por Maduro: eles defendiam o profissionalismo acima da improvisação, a tradição acima da revolução.

As tensões de longa data entre a empresa e o governo se espalharam em conflito aberto quando a economia entrou em recessão em 2014. À medida que as receitas secavam, Maduro começou a acusar Mendoza, sem provas, de acumular produtos e piorar a escassez.

As ameaças foram acompanhadas por um crescente assédio. Fiscais do Fisco venezuelano  invadiam constantemente as instalações da Polar, sindicatos pró-governo instigavam agitações trabalhistas e forças de segurança sequestravam seus caminhões de alimentos e detiveram seus gerentes.

Em 2017, a Polar estava se aproximando da falência. Sua divisão de alimentos estava com uma hemorragia financeira, porque o controle de preços a forçou a vender produtos por alguns centavos. A divisão de cerveja se recuperou da perda de cevada subsidiada.

Sob pressão da família, Mendoza procurou contato com o czar econômico de Maduro e ex-vice-presidente, Tareck El Aissami, um operador comercial experiente acusado pelos Estados Unidos de tráfico de drogas, segundo duas pessoas familiarizadas com as negociações.

El Aissami, que nega as acusações de drogas, há muito argumenta que o governo teve que abandonar seu dogma marxista para garantir sua sobrevivência. Nele, Mendoza encontrou um ouvido compreensivo.

As solicitações de Mendoza culminaram em uma reunião de 2018 com a poderosa primeira-dama da Venezuela, Cilia Flores. O encontro rendeu um pacto informal que se mantém até hoje: Mendoza sairia do palco público e o governo deixaria de assediar a empresa.

"O governo estava batendo forte neles", disse Jhonny Magdaleno, um veterano líder sindical e trabalhador aposentado da Polar. "Então, de repente, parou."

À medida que a reforma econômica de El Aissami se acelerava no ano passado, o mesmo ocorreu entre a Polar e o governo.

Os ataques às suas instalações cessaram e Maduro parou de falar sobre a Polar e seus pares, encontrando um novo bode expiatório nos Estados Unidos.

O governo parou de obrigar a Polar a entregar seus produtos a preços reduzidos. Hoje, o governo fornece matérias-primas aos principais produtores privados e negocia compras de alimentos em termos de mercado, segundo fontes do setor. As lojas estão cheias novamente, mesmo que os produtos estejam fora do alcance da maioria dos venezuelanos.

Made with Flourish

No entanto, as condições de mercado continuam difíceis para a Polar. Muitas de suas fábricas são fechadas ou operam com uma fração da capacidade, e a empresa demitiu cerca de 15 mil trabalhadores. As mudanças, no entanto, permitiram que ela se reinventasse como uma operadora menor e mais ágil, focada nos clientes mais ricos da Venezuela e equilibrando o declínio doméstico com a expansão estrangeira.

Sindicalismo fica sem o apoio do governo

As maiores mudanças ocorreram no relacionamento da Polar com a equipe. Longe vão os benefícios lendários que apoiaram os trabalhadores e suas famílias desde a infância até a velhice, inclusive financiando seus funerais.

A empresa suspendeu milhares de trabalhadores, com o aval do governo.

"Eles ignoram as queixas, demitem os encrenqueiros", disse Magdaleno. "Eles não costumavam fazer isso antes."

Um sindicalista da Polar Miguel Pirona disse que foi suspenso em março do seu emprego na cidade industrial de Valência por protestar contra cortes de benefícios. Pirona disse que, quando reuniu um grupo de trabalhadores fora da fábrica para protestar, eles foram dispersos por soldados.

"Antes, eles vinham ajudar", disse Pirona sobre o governo. "Agora eles vêm ameaçar."

Apesar dos cortes, muitos trabalhadores continuam comprometidos com a empresa, que, segundo eles, ainda oferece os melhores empregos na economia em crise. Um trabalhador da principal fábrica de farinha de milho ganha cerca de US$ 50 por mês, o equivalente a 20 vezes o salário mínimo local.

Mas manter essa lealdade também significa abandonar a ideia do que a empresa era.

Darwin Carmona, de 35 anos, trabalhou toda a sua vida na fábrica de cerveja da Polar em Caracas. Ele foi suspenso sem pagamento em 2016, juntamente com milhares de outros, porque a empresa disse que ficou sem matéria-prima.

Depois que um tribunal decidiu a seu favor, Carmona disse que a empresa o restabeleceu em fevereiro passado, apenas para suspendê-lo novamente meses depois. Quando sua filha recém-nascida fraturou um cotovelo em dezembro, ele descobriu que o seguro de saúde da Polar não a cobria mais.

"Quando Chávez estava vivo, as leis foram respeitadas", disse Carmona sobre a Polar. Agora, "o governo permite que eles façam o que quiserem".

A Polar não respondeu a perguntas para esta reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.