Empresas aéreas pedem que clientes adiem voos para embarcar passageiros ainda presos

Milhares de pessoas ainda não conseguiram voltar para casa após caos aéreo.

BBC Brasil, BBC

24 de abril de 2010 | 20h51

Empresas aéreas britânicas estão procurando voluntários que adiem os voos para os quais compraram passagens para dar lugar aos milhares de passageiros que ainda não conseguiram voltar para suas casas depois do caos aéreo causado pela erupção de um vulcão na Islândia, há pouco mais de uma semana.

O espaço aéreo britânico foi reaberto na última terça-feira, depois de quase uma semana de voos cancelados. Embora mais aviões que o normal estejam circulando atualmente, dezenas de milhares de cidadãos britânicos ainda estão presos em outros países.

A companhia aérea britânica British Airways (BA), por exemplo, pediu que clientes que tenham voos de longa distância programados até o dia 2 de maio que dêem seus lugares aos passageiros que ainda não conseguiram embarcar.

A BA afirma que esses voluntários poderão remarcar seus voos sem nenhuma taxa adicional, desde que o embarque ocorra pelo menos sete dias depois da data do voo original.

Muitos passageiros, no entanto, acusam a empresa de priorizar os novos clientes no lugar daqueles que perderam seus voos, o que a companhia nega.

Já a companhia Virgin Atlantic tem adotado a mesma estratégia, e afirma que muitos desses voluntários entraram em contato com a empresa.

Presos

Mesmo com essas medidas, passageiros ainda presos estão sofrendo com atrasos de semanas, com seus voos sendo remarcados para datas no próximo mês.

A companhia aérea Easyjet, por sua vez, afirmou que está providenciando guichês provisórios nos aeroportos para acelerar o embarque dos passageiros presos.

Já a Emirates anunciou já ter conseguido repatriar cerca de 6 mil clientes por meio de voos extras. Segundo a empresa, a grande maioria dos passageiros presos deve conseguir voltar para casa na próxima semana.

Segundo dados compilados pelo jornalista britânico Simon Calder, há cerca de 10 mil passageiros sem conseguir embarcar para a Grã-Bretanha no Egito, 9 mil no Estado americano da Flórida e outros 8 mil na Índia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.