Empresas anunciam fim dos "diamantes de sangue"

As principais empresas de comércio e lapidação de diamantes abriram uma conferênciamundial nesta segunda-feira afirmando terem vencido a batalha contra os contrabandistas que usam pedras preciosas para custear guerrasna África, mas os ativistas dessa campanha disseram que deve ser feito ainda mais para mudar essa situação."Estamos agora na era de pós-conflito dos diamantes", disse Peter Meeus, diretor administrativo do Alto Conselho deDiamantes da Antuérpia, que lida com 80% do comércio mundial de diamentes brutos e metade do comércio de pedras lapidadas. "O negócio dos diamantes mudou", acrescentou.Um dos grupos ativistas que revelou como o contrabando de diamantes financiava algumas das mais sangrentas guerras civis africanas concordou em que a indústria tomou medidas para reprimiro contrabando, mas insistiu serem necessárias mais medidas. "Não podemos simplesmente sentar e dizer que o problema sumiu", disse Bernard Taylor, diretor-executivo da ParceriaÁfrica-Canadá."Os conflitos de diamantes ainda são uma ameaça .. a indústria de diamantes precisa realmente se certificar de que o processo funciona", afirmou Taylor em entrevista telefônicadesde Ottawa.Num esforço para melhorar sua imagem, a indústria planeja estabelecer um "fundo de socorro do diamante" a fim de canalizar dinheiro para a redução da pobreza nos países mais pobres que produzem pedras preciosas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.