Empresas brasileiras aguardam desfecho de crise na Líbia

Projetos estão suspensos; rebeldes insinuam que hesitação de Brasília pode prejudicar interesses brasileiros na Líbia.

BBC Brasil, BBC

23 de agosto de 2011 | 05h42

Empresas brasileiras com operações na Líbia aguardam o desfecho da crise política na Líbia e a perpespectiva de normalização para decidir quando e como voltar a atuar no país.

Odebrecht, Queiroz Galvão e Petrobras informaram por meio de suas assessorias de imprensa que acompanham a situação no país para definir ações futuras.

A Odebrecht, que é responsável pela construção de um aeroporto internacional e do anel viário na capital líbia, Trípoli, disse que as operações estão suspensas desde que a crise eclodiu, em fevereiro.

Os contratos da Odebrecht são avaliados em mais de R$ 5 bilhões e as obras, estavam cerca de 30% concluídas quando tiveram de ser paralizadas.

Também em fevereiro a Queiroz Galvão retirou seus funcionários do país, incluindo 130 que viviam na cidade de Benghazi, a segunda maior do país, no leste da Líbia.

Interesses brasileiros

O governo brasileiro ainda não reconheceu oficialmente o movimento rebelde como o novo governo da Líbia. Mas segundo a sua assessoria de imprensa, o Ministério das Relações Exteriores já mantém contatos informais com representantes dos rebeldes.

Boa parte dos países europeus e os Estados Unidos já reconheceram o Conselho Nacional de Transição dos rebeldes como governo interino líbio.

Na segunda-feira, um porta-voz da estatal petroleira líbia, Agoco - que está do lado dos rebeldes -, insinuou que a demora brasileira em reconhecer oficialmente a queda do regime de Muamar Khadafi pode prejudicar os interesses brasileiros na Líbia.

"Não temos problemas com os países ocidentais, como as companhias italianas, francesas e britânicas. Mas podemos ter algumas questões políticas com a Rússia, a China e o Brasil", disse à agência Reuters o porta-voz da empresa, Abdeljalil Mayouf.

Antes do início da crise política, a Líbia produzia 1,6 milhão de barris diários de petróleo leve, dos quais 1,3 milhão de barris eram exportados - a maior parte para países europeus.

A perspectiva de retomada do fornecimento de petróleo por parte da Líbia tem tido impacto limitado no mercado, porque os analistas estimam que serão necessários pelo menos dois anos para que o produto volte a estar disponível.

Na manhã desta terça-feira, o petróleo tipo leve (WTI) subia 1,8% e era cotado a quase US$ 86, enquanto o óleo tipo Brent era negociado com alta de 0,75% a US$ 109.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.