Empresas dos EUA exportarão alimentos para Cuba

Três grandes companhias de alimentos dos Estados Unidos se preparam para vender arroz e trigo, entre outros produtos, para Cuba, ilha que está sob embargo econômico norte-americano há quatro décadas, informa o site CNNmoney.com. Cargill, Archer Daniels Midland e a Riceland Foods, concordaram em realizar as vendas depois que o furacão Michelle atingiu Cuba no último dia 4. A tragédia causou pelo menos cinco mortes e deixou milhares de quilômetros de colheitas destruídos. De acordo com a Riceland, qualquer troca entre dois países com relações problemáticas, como no caso de Cuba e Estados Unidos, é positiva. A empresa não quis revelar a quantidade de arroz que será enviada a Cuba, mas garantiu que os primeiros carregamento s chegam em janeiro de 2002. A empresa informou que a assinatura do primeiro contrato comercial entre os dois países em 40 anos foi emocionante. A princípio, Cuba havia se recusado a comprar comida de empresas dos EUA. A alegação era de que as taxas de financiamentos norte-americanas tornavam as aquisições praticamente impossíveis. O Departamento de Estado dos EUA informou que as vendas para Cuba foram autorizadas por serem consideradas ajuda humanitária. A Archer Daniels Midland também já acertou a venda de milhares de toneladas de milho, farinha, arroz e grãos para Cuba. A empresa ainda negocia a venda de feijão ensacado e óleo de cozinha. A Cargill também venderá milho e soja. Cuba está sob embargo econômico dos Estados Unidos desde pouco tempo depois de a revolução socialista de Fidel Castro tomar o poder na ilha, em 1961. Castro, num discurso realizado sábado passado, saudou a possibilidade de comprar comida e medicamentos dos EUA, mas insistiu que não serão feitas novas encomendas enquanto o embargo não sofrer alterações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.