Empresas que bloquearam doações ao WikiLeaks sofrem ataque hacker

Sites da Visa, Mastercard e de banco suíço e de promotoria sueca que acusa Assange ficam fora do ar

estadão.com.br,

08 de dezembro de 2010 | 19h51

SÃO PAULO - O site da empresa multinacional de cartão de créditos Visa ficou fora do ar nesta quarta-feira, 8, em uma nova etapa de ataques hackers contra empresas que bloquearam doações ao site WikiLeaks, responsável pelo vazamento de 250 mil mensagens diplomáticas do governo americano.. Mais cedo, o site da Mastercard também havia sido derrubado.

Veja também:

especialEspecial: Por dentro do WikiLeaks

blog Radar Global: principais vazamentos do 'cablegate'

lista Veja tudo o que foi publicado sobre o assunto

No Twitter, um grupo de ativistas digitais denomidado "Operação Troco" (em tradução livre), assumiu a responsabilidade pela ação. As retaliações começaram após a prisão do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, em Londres, na terça-feira.

Um banco na Suíça e o site da promotoria pública da Suécia - que acusa o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de crimes sexuais - saíram do ar hoje.   O site e o e-mail dos representantes legais das duas mulheres suecas que acusam Assange também.

 "Nosso e-mail e site foram alvos de hackers na noite passada e nesta manhã", disse nesta quarta-feira o advogado Claes Borgstroem, que representa as mulheres.

Com AP e Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
VisaMastercardWikiLeaksataque hacker

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.