Aaron Favila/ AP
Aaron Favila/ AP

Empurrado por tufão mais forte, Parma volta para Filipinas

Fenômeno perde força e pode causar chuvas no país até quinta; Melor deve atingir o sul do Japão nesta semana

estadao.com.br,

05 de outubro de 2009 | 10h37

O tufão Parma perdeu força nesta segunda-feira, 5, sendo rebaixado para a categoria de tempestade tropical, mas retornou para as Filipinas, onde causou enchentes, deslizamentos de terra e matou pelo menos 17 pessoas. A rota do fenômeno mudou por conta de outro tufão de maior intensidade na região, o Melor, que avança pelo Oceano Pacífico em direção ao Japão.

 

Equipes de resgate da China, Hong Kong e Taiwan buscaram nesta segunda-feira pelos dez tripulantes de um barco de bandeira panamenha que desapareceu na região entre Taiwan e as Filipinas.

 

O Parma se movimenta pelo extremo norte das Filipinas com ventos sustentados de 105 km/h e acompanhado de muita chuva. Ele deve provocar tempestades torrenciais pelo menos até quinta-feira, segundo a previsão da Administração de Serviços Atmosféricos, Geofísicos e Astronômicos (Pagasa). A tempestade ainda pode ganhar força nos próximos dias e converter-se novamente em tufão, já que permanece no mar.

 

O retorno do Parma às Filipinas no momento em que se dirigia para Taiwan se deve à presença no oceano Pacífico do tufão "Melor, com ventos sustentados de 205 km/h e rajadas de 250 km/h, ainda muito distante do território filipino. O fenômeno avança pelo Pacífico a caminho do Japão. Os meteorologistas preveem que não deve atingir as Filipinas.

 

O tufão Parma, o mais forte a atingir as Filipinas desde 2006, tocou terra na remota Província de Cagayan no sábado. Há cerca de uma semana, o tufão Ketsana atingiu a populosa costa oeste e a capital, Manila, deixando cerca de 300 mortos. O governo declarou estado de calamidade nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
ParmaFilipinas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.