Encarregado de reconstruir Japão deixa o cargo após gafe

Em visita a área afetada por tsunami, ministro havia reclamado de governador e ameaçado não ajudar região

, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2011 | 00h00

TÓQUIO

O ministro da Reconstrução do Japão, Ryu Matsumoto, renunciou ontem, uma semana depois de assumir o cargo. Ele estava sob forte pressão popular após cometer uma gafe durante visita à região afetada pelo tsunami de março, que devastou o país.

No domingo, Matsumoto reclamou do atraso do governador de Miyagi, Yoshihiro Murai, para uma reunião. O ministro também disse que, a menos que houvesse consenso no governo regional, seu gabinete "não faria nada" pela reconstrução. De acordo com o ministro-chefe do gabinete do premiê Naoto Kan, Yukio Edano, o vice-premiê Tatsuo Hirano substituirá o demissionário.

"Peço realmente desculpas por meus comentários insensíveis e impensados que magoaram as vítimas do desastre", disse Matsumoto.

A polêmica provocou críticas da oposição e aumentou a pressão sobre o governo de Kan. O premiê enfrenta pressão dentro do Congresso para renunciar. No mês passado, ele sobreviveu a um voto de confiança. "Kan terá de ser questionado por sua responsabilidade nisso" disse o deputado Ichiro Aisawa, do Partido Liberal Democrático.

O primeiro-ministro tenta aprovar três projetos de lei cruciais para a recuperação do país. Um deles é o segundo pacote de recuperação dos danos causados pelo terremoto. Além disso, ele quer que o Parlamento autorize a venda de papéis da dívida japonesa e uma nova legislação sobre energia renovável. "Esse é outro golpe em um governo já enfraquecido", diz o professor da Universidade Sophia, de Tóquio, Koichi Nakano.

De acordo com uma pesquisa divulgada pelo jornal Mainichi, a aprovação a Kan caiu de 24% para 19%. Cerca de 44% dos japoneses querem que ele renuncie imediatamente. Outros 27% dizem que ele deve fazê-lo no mês que vem. Kan promete deixar o cargo se as leis forem aprovadas. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.