Enchentes ameaçam cidades e campos às margens do Danúbio

Milhares de soldados e voluntários trabalhavam nesta quarta-feira no escoramento de diques e posicionavam sacos de areia ao longo do Rio Danúbio, cujas águas ameaçam cidades e campos de cultivo situados às suas margens. Durante o último mês, as defesas antienchentes ao longo do segundo maior rio da Europa foram constantemente pressionadas pela elevação do nível da água, provocada pelo derretimento da neve e por fortes chuvas. Entretanto, acredita-se que a situação ficará ainda pior nas áreas às margens do Danúbio, pois meteorologistas prevêem novas chuvas para os próximos dias. Em um de seus trechos, o segundo maior rio europeu serpenteia por 450 quilômetros da fronteira entre a Bulgária e a Romênia. Cidades nos dois lados da fronteira estão inundadas ou isoladas por causa das enchentes e da elevação do nível das águas. Enquanto isso, a elevação do nível das águas do Danúbio provocou o transbordamento de três de seus afluentes na região: os rios Iskar, Vit e Osam. Mais ao sul, soldados búlgaros e voluntários reforçavam barreiras de sacos de areia para evitar o transbordamento do Danúbio. A pior ameaça envolvia Tutrakan, onde "os diques encontram-se em condições precárias", segundo Georgi Georgiev, o diretor da agência de monitoramento do Danúbio. Unidades do Exército forneciam comida e água potável aos moradores dos vilarejos de Botevo e Simeonovo, onde as casas e as ruas estavam alagadas. A situação também é crítica em Nikopol, onde metade das casas às margens do Danúbio foi inundada. Romênia No sul da Romênia, operários tentavam reparar rachaduras constatadas na manhã de ontem em um dique na cidade de Bistret. O primeiro-ministro Calin Popescu visitou Bistret e informou que a cidade será esvaziada por precaução. A vazão do Danúbio era de 15.200 metros cúbicos de água por segundo nesta quarta-feira, quase o dobro de seu volume médio de 7.900 metros cúbicos por segundo nessa época do ano, informou o Ministério de Ambiente e Recursos Hídricos da Romênia. De acordo com as autoridades locais, a maior parte dos diques tem capacidade para suportar a pressão de 14 mil metros cúbicos de água por segundo. Na Sérvia, o nível das águas do Danúbio começava a baixar nesta quarta-feira, mas as autoridades locais temiam que novas chuvas pudessem causar o rompimento de diques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.