Enchentes deixam 17 mortos no norte da Índia

Enchentes provocadas por fortes chuvas no norte da Índia mataram pelo menos 17 pessoas, destruíram milhares de habitações e forçaram a retirada de 2 milhões de pessoas das regiões mais atingidas, disseram hoje funcionários do governo indiano.

AE-AP, Agência Estado

23 de setembro de 2010 | 16h12

Grande parte do Estado de Uttar Pradesh, perto do Nepal, foi coberto pelas águas, com o transbordamento de vários rios que cruzam a região, disse o porta-voz do governo estadual, Diwakar Tripathi. Soldados e tropas paramilitares ajudaram a retirar pessoas dos vilarejos alagados e a levá-las para campos de refugiados montados em locais mais altos. "Pelo menos 17 pessoas morreram durante a madrugada. Mais de mil casas foram arrastadas pelas águas e muitas áreas estão submersas", disse Tripathi.

O norte da Índia tem experimentado chuvas sem precedentes desde agosto, de acordo com o Departamento de Meteorologia do governo indiano. Muitos rios estão com o leito bem acima da vazão normal, incluídos o Yamuna e o Ganges, que atravessam o Estado de Uttar Pradesh.

Abrigos temporários e instalações médicas estavam sendo montadas hoje nos campos ao redor do Estado, enquanto helicópteros do Exército jogavam caixas com alimentos e água potável para as pessoas que ficaram isoladas em áreas remotas, disse K.K. Sinha, um funcionário da defesa civil.

Uma das áreas mais atingidas pelas enchentes é a cidade industrial de Moradabad, da qual foram retiradas 200 mil pessoas, disse Suresh Tomar, um funcionário municipal. Houve uma extensa devastação às fazendas de Uttar Pradesh, com prejuízos estimados de US$ 750 milhões nas colheitas, disse Tripathi.

No vizinho Paquistão, as enchentes mataram mais de 1,7 mil pessoas e destruíram cerca de 1,9 milhão de casas nos últimos dois meses.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaenchentesmortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.