Enchentes deixam 5 mil casas submersas no Paquistão

As chuvas de monções no Paquistão provocaram o transbordamento de rios e as piores enchentes em décadas no noroeste do país, a região mais atingida. As pessoas foram forçadas a caminhar com água na altura dos joelhos em algumas ruas do Vale do Swat. Uma parte recém construída de uma barragem no distrito de Charsadda ruiu. A Organização das Nações Unidas (ONU) informou que há 5 mil casas submersas na área. Pelo menos dez dos mortos nas últimas 24 horas foram vítimas do desabamento de suas casas.

AE-AP, Agência Estado

29 de julho de 2010 | 16h05

Dezenas de pessoas estão desaparecidas, dentre elas pelo menos nove chineses que trabalham na construção civil na região de Kohistan. Outros 200 trabalhadores chineses ficaram presos em meio à chuva, disse Mian Iftikhar Hussain, ministro da Informação da província de Khyber-Pakhtoonkhwa, no noroeste do país.

Ele disse que essas são as piores enchentes na região desde 1929 e estima em 400 mil o número de pessoas que não conseguem deixar suas vilas. "Uma operação de resgate com helicópteros não pode ser realizada por causa do mau tempo, mas temos 48 botes disponíveis para fazer resgates", disse ele, lembrando que a meteorologia prevê mais chuvas nas próximas 24 horas.

Tudo o que sabemos sobre:
Paquistãoenchentescasas submersas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.