Enchentes e deslizamentos de terra matam 47 na Índia

Chuvas de monções e deslizamentos de terra em áreas montanhosas do norte da Índia mataram pelo menos 47 pessoas durante o fim de semana. Vinte e quatro pessoas morreram ontem depois que enormes pedras deslizaram e destruíram suas casas em três vilas do distrito de Almorah, no Estado de Uttrakhand, informou Prashant Kumar Tamta, porta-voz do governo estadual.

AE-AP, Agência Estado

20 de setembro de 2010 | 11h56

Outras 23 pessoas foram levadas pelas águas ou morreram quando suas casas ruíram por causa de deslizamentos de terra nas regiões de Pitthoragarh, Champawat e Uttarkashi do Estado no sábado e ontem, disse Tamta.

As chuvas continuavam a atingir a região hoje, ameaçando dezenas de vilas perto da represa de Tehri, cujas águas estavam chegando a um nível perigoso. A área afetada fica a 400 quilômetros a sudoeste de Lucknow, a capital do Estado de Uttar Pradesh.

Na sexta-feira, um barco que levava principalmente estudantes, virou num rio perto da cidade de Faizabad, em Uttar Pradesh. Quinze pessoas se afogaram, informou Surendra Srivastava, porta-voz da polícia.

A estação anual de monções, que vai de junho a outubro, provoca chuvas que são vitais para a agricultura na Índia. Por outro lado, as chuvas de monções provocam grande número de mortes no sul da Ásia todos os anos.

Em agosto, enchentes relâmpago mataram pelo menos 175 pessoas na região remota e montanhosa de Ladakh, na Caxemira indiana. No vizinho Paquistão, enchentes de monções mataram mais de 1.700 pessoas e danificaram ou destruíram cerca de 1.900 casas nas últimas seis semanas.

Neste ano, a Índia enfrenta fortes chuvas, depois de uma severa seca no ano passado. As chuvas registradas entre os dias 1º e 15 de setembro foram 22% acima da média para o período, segundo o Departamento Meteorológico da Índia.

Tudo o que sabemos sobre:
Índiaenchentesdeslizamentos de terra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.