Enchentes matam 102 pessoas no sudoeste da Nigéria

Enchentes repentinas ao redor da região sudoeste da Nigéria mataram pelo menos 102 pessoas na semana passada, informou nesta quarta-feira a Cruz Vermelha do país africano. Cerca de 1.500 pessoas permanecem desabrigadas pelas chuvas torrenciais, disseram funcionário do governo.

AE, Agência Estado

31 de agosto de 2011 | 14h46

A capital do Estado de Oyo, Ibadan, foi muito castigada pelas enchentes. Uma represa próxima à cidade transbordou na sexta-feira passada, alagando favelas e moradias precárias na periferia da cidade. A força das águas também danificou três pontes e isolou pessoas em bairros afastados, disse Tunde Adebiyi, funcionário da Agência de Emergências da Nigéria.

"Eu acredito que muitas pessoas foram arrastadas pelas águas das chuvas e outras foram soterradas em moradias que desabaram", disse Umar Mairiga, funcionário da Cruz Vermelha local.

A Agência de Emergências da Nigéria alertou que neste ano as chuvas seriam mais fortes do que no ano passado. Em uma avaliação, a agência advertiu que as enchentes castigariam com maior força as áreas urbanas com drenagem inadequada e também locais onde a população deposita lixo, um problema comum nas cidades nigerianas, onde o planejamento urbano e o zoneamento são mínimos.

No ano passado, cerca de 500 mil pessoas ficaram desabrigadas ao redor do país pelas enchentes. A estação das chuvas no país equatorial dura de junho a setembro. Em agosto deste ano, contudo, as chuvas deram uma trégua e só voltou a chover com força na semana passada.

As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
NigériaenchentesÁfrica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.