Enchentes na Ásia forçam milhares a buscar refúgio

As piores enchentes na Malásia em 37 anos desalojaram quase 100 mil pessoas e provocaram falta de comida, saques e, neste sábado, críticas ao governo. Chuvas pesadas na Indonésia - exacerbadas pelo desmatamento - também mataram pelo menos cinco pessoas e desalojaram dezenas de milhares. A agência de previsão do tempo na Malásia alertou que as enchentes, que afetaram os Estados do sul, poderiam se espalhar para as partes centrais e do nordeste do país se as chuvas de monção incomumente pesadas persistissem. Seis pessoas, todas no Estado de Johor, o mais afetado pelas chuvas, já morreram em conseqüência das enchentes, que o governo descreveu como as piores desde 1969. As enchentes, que ocorreram após as chuvas mais pesadas em um século desta semana, submergiram prédios e interromperam ruas em Kota Tinggi e várias outras cidades em Johor, que faz fronteira com Cingapura. Os jornais noticiaram saques nas cidades de Kota Tinggi e Segamat. Também houve casos de pessoas que trabalhavam nos resgates demandando dinheiro de vítimas das enchentes, afirmou o jornal Star. Vítimas também reclamavam de falta de comida, roupas, cobertores e água em muitos dos abrigos. Líderes da oposição criticaram a maneira como o governo está enfrentando a crise e afirmaram que as operações de ajuda estavam completamente confusas. Na Indonésia, autoridades disseram que pelo menos cinco pessoas morreram e outras 70 mil tiveram que deixar seus lares por enchentes provocadas por dois dias de chuvas ininterruptas na costa leste do país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.