Enchentes nas Filipinas deixam mais de 650 mortos

Tempestade tropical devastou com maior intensidade as cidades costeiras de Cagayán de Oro e a de Iligan

estadão.com.br,

18 de dezembro de 2011 | 18h42

A forte chuva decorrente de uma tempestade tropical surpreendeu filipinos durante a noite, enquanto dormiam, no sul do país. Além de estragos em duas cidades costeiras, mais de 650 pessoas morreram e 900 pessoas continuam desaparecidas.

 

Quando houve a forte tempestade, uma jovem ligou para sua casa, da loja em que trabalhava, para saber como estavam seus pais. Os celulares deles só tocavam e, depois, perdeu-se o contato.

 

Amor Lim bago, de 21 anos, foi apressadamente para sua casa logo quando baixaram as inundações, que haviam aparecido de repente, e confirmou o pior de seus temores: seus pais e sete de seus parentes não mais lá estavam. A corrente de um rio os havia levado do barraco em que estavam. Dias antes, a família havia combinado de fazer no lugar uma pequena ceia para o Natal.

 

"Voltei e vi que não restava nada de nossa casa", disse Limbago, entre lágrimas, à Associated Press, da cidade de Cagayán de Oro. "Só havia lama e água que alcançava a altura do joelho em todo lugar".

A tempestade tropical Washi se dissipou no domingo, 18, depois de devastar uma ampla área da região montanhosa da ilha de Mindanao, cujos habitantes não estão acostumados a chuvas de grande intensidade.

 

A maioria das vítimas dormia na sexta-feira de noite, quando as águas vieram subitamente das montanhas. A inundação arrastou troncos de árvores e causou transbordamento de rios, o que resultou em 652 mortos.

 

A tempestade tropical de fim de temporada devastou com maior intensidade as cidades costeiras de Cagayán de Oro e a de Iligan, que estão próximas uma da outra, e as transformou em terrenos ermos, cobertos de lama, veículos virados e árvores arrancadas.

A maioria dos mortos foram crianças e mulheres, disse a secretária-geral da Cruz Vermelha filipina, Gwendolyn Pang. Mais de 900 pessoas continuam desaparecidas - a maioria nas duas cidades, acrescentou.

O secretário de Defesa, Voltaire Gazmin, e funcionários militares de alto escalão viajaram a Cagayán de Oro e Iligan para supervisionar as ações de busca e resgate e ver uma maneira de atender os milhares de habitantes desalojados.

 

Entre os artigos de necessidade urgente figuram caixões e sacos para cadáveres, disse Benito Ramos, chefe da agência governamental para reação frente a desastres.

 

Milhares de soldados com apoio de centenas de policiais, reservistas, efetivos da guarda costeira e cidadãos voluntários foram mobilizados para o trabalho de resgate e limpeza das duas cidades costeiras, cobertas por escombros, lixo, veículos dispersos e árvores derrubadas pelas inundações.

 

Alguns dos cadáveres foram arrastados pelas correntes de água, de Cagayán de Oro e Iligan, até o mar. Rios atravessam as montanhas das cidades, regiões que não estão acostumadas às fortes tempestades, as quais são mais comuns em outras partes do arquipélago. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.