Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Encontrada vala comum da Segunda Guerra na Polônia

Trabalhadores da construção civil encontraram no norte da Polônia uma vala comum da época da Segunda Guerra Mundial (1939-1945), contendo o que acredita-se serem os corpos de cerca de 1.800 homens, mulheres e crianças alemães que desapareceram durante a marcha do Exército Soviético para Berlim, no começo de 1945. As escavações foram feitas para a construção de um hotel de luxo em Malbork, cidade que era chamada Marienburg e fazia parte da Alemanha durante a guerra. Os poloneses escavaram uma cratera de bomba nos pés da famosa fortaleza dos Reis Teutônicos, do século XIII, disseram autoridades hoje. Os trabalhadores encontraram um pequeno grupo de corpos no final de outubro e suspenderam as escavações para permitir que investigações fossem feitas. Depois de retomar os trabalhos, semanas mais tarde, foram encontrados dezenas e depois centenas de corpos. Eles acreditam que serão descobertos mais. Não está claro como os corpos foram parar dentro da cratera, mas exames iniciais de peritos poloneses e alemães indicam que provavelmente são os restos mortais de cidadãos alemães que continuam classificados como "desaparecidos" mais de 60 anos depois da guerra, disse o funcionário municipal Piotr Szwedowski.Milhões de civis foram mortos ou declarados desaparecidos durante a Segunda Guerra Mundial. Muitos desses desaparecimentos em meio ao caos da guerra na Europa continuam sem explicação. "O exame dos restos mortais e as circunstância confirmam que esses são os habitantes alemães desaparecidos de Malbork", disse Szwedowski. "Eu não tenho dúvidas de que são eles". Na medida em que o Exército Vermelho estava avançando no início de 1945, os habitantes de Malbork receberam ordens para deixar a cidade. Alguns se recusaram, enquanto outros foram impedidos de fazê-lo pelo caos geral da guerra. Os soviéticos bombardearam a cidade com artilharia pesada. Depois que o derrotado Exército alemão recuou, os civis remanescentes encontraram-se a mercê das tropas do Exército Vermelho. Não há testemunhas sobreviventes do que aconteceu, disse Szwedowski.ExamesOs corpos foram enterrados nus, sem quaisquer pertences, disse ele. "Não encontramos restos de roupas, sapatos, cintos, óculos, nem mesmo dentaduras ou dentes postiços", afirmou. Cerca de 100 crânios - principalmente de adultos - apresentam buracos, o que sugere que essas pessoas tenham sido executadas. Mas ainda não está claro como as demais pessoas morreram, disse Szwedowski. "Nós não sabemos se esses (civis) são vítimas diretas ou indiretas dos ataques de artilharia, mas os buracos de balas sugerem execuções em alguns casos". Mais exames forenses serão feitos antes que os restos mortais sejam depositados no cemitério de Malbork ou no cemitério militar alemão em Stary Czarnow, próximo a cidade de Szczecin, noroeste da Polônia. "Estas pessoas morreram de forma tão desumana, foram jogadas tão desumanamente, que precisamos enterrá-las com dignidade e respeito", disse Szwedowski.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.