Encontrado cemitério com 57 corpos na Chechênia

Um cemitério clandestino com 57 cadáveres foi encontrado em um terreno do parque Kírov, em Grozni, capital da Chechênia, informou nesta segunda-feira o promotor dessa república russa do Cáucaso, Valeri Kuznetsov.Kuznetsov disse que o cemitério foi descoberto durante os trabalhos de limpeza do parque, lugar de combates e bombardeios durante as duas guerras chechenas. Ele afirmou que não se trata de uma vala comum, pois "cada corpo tinha sido enterrado separadamente".O promotor descartou também a possibilidade de que o local seja um ponto de desova de cadáveres de vítimas de seqüestros, torturas e execuções sumárias. Segundo o promotor, os exames forenses indicam que se trata de restos de pessoas mortas em bombardeios. "Segundo dados operacionais e a julgar pelos resultados do exame dos restos, pode-se concluir que estas pessoas morreram por causa de explosões de projéteis de artilharia e bombas de aviação", disse ele à agência russa Interfax.Segundo Kuznetsov, "todos os restos apresentam marcas de impacto de metralhadora". "A julgar por tudo isso, pode-se dizer que se trata de civis", acrescentou. Ele indicou que as pessoas morreram entre 1999 e 2000, quando forças russas invadiram a Chechênia para restaurar o controle da província, de maioria muçulmana.Kuznetsov não disse quando o cemitério clandestino foi descoberto, mas afirmou que 51 corpos já foram identificados e enviados para serem enterrados em seus povoados. Os seis restantes receberam uma sepultura oficial em uma localidade chechena.A Promotoria não abriu um inquérito por causa dos cadáveres, mas indicou que estão sendo revisadas as bases de dados de pessoas desaparecidas e seqüestradas nos últimos anos na Chechênia.100 mil mortos Cerca de 100 mil pessoas, entre civis, soldados e insurgentes morreram na região dos conflitos. Grupos de defesa de direitos humanos também reportaram desaparecimentos em massa e culpam as forças de segurança chechenas que apoiavam Moscou.O grupo Memorial afirmou em janeiro deste ano que, desde 2002, 1.799 civis chechenos foram seqüestrados e cerca de mil deles não foram encontrados ainda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.