Encontrado corpo de 12ª vítima de naufrágio na Itália

Mergulhadores da Guarda Costeira da Itália encontraram neste sábado o corpo de uma mulher no navio de cruzeiros Costa Concordia, elevando o número total de mortos no naufrágio para 12, afirmou um oficial da polícia italiana. Os mergulhadores descobriram o corpo no quarto dos 17 andares do navio, oito dias após a embarcação atingir algumas rochas e tombar para o lado na costa noroeste da Itália.

AE, Agência Estado

21 de janeiro de 2012 | 19h00

As buscas pelos desaparecidos foram retomadas nesta manhã, após dados indicarem que a embarcação se estabilizou no mar da costa da Toscana. Para tornar a entrada e saída da embarcação mais fácil, os mergulhadores fizeram buracos na carcaça do navio, por meio de explosões.

Os mergulhadores procuram por vítimas fatais ou sobreviventes do acidente, embora seja improvável que qualquer uma das 20 pessoas desaparecidas possa estar viva. A busca havia sido suspensa na sexta-feira, após o navio virar, levantando temores de que a embarcação poderia mergulhar mais fundo no mar. Também há receios de que o combustível do Costa Concordia possa vazar, poluindo as águas cristalinas da região.

Hoje as autoridades italianas confirmaram a existência de combustível leve no mar em torno do navio, que parece ser proveniente do maquinário da embarcação. No entanto, o porta-voz da Guarda Costeira, comandante Cosimo Nicastro, afirmou que não há nenhum indício de que qualquer um dos 500 mil galões (2,2 mil toneladas) de óleo combustível tenha vazado dos tanques do navio.

Segundo ele, a substância vazada parece ser diesel, que é usado nos botes salva-vidas ou como lubrificante de maquinário. Há 185 toneladas de diesel e lubrificantes a bordo. Nicastro descreveu a presença do combustível no mar como "muito leve, muito superficial" e disse que o vazamento parece estar sob controle.

A associação de defesa dos diretos dos consumidores Codacons afirmou hoje que está entrando com uma ação coletiva contra a Carnival, operadora do Costa Concordia, pedindo uma indenização de US$ 160 mil por passageiro. Segundo o co-diretor do grupo, Marco Ramadori, mais de 100 pessoas, de todas as nacionalidades, estão participando da ação. "O pedido será registrado pela Codacons e as empresas norte-americanas Proner & Proner e Napoli Bern Ripka Shkolnik na terça ou quarta-feira, em Miami", explicou.

"Nós queremos conseguir pelo menos US$ 160 mil em compensação para cada passageiro, mas o valor pode chegar a duas ou três vezes isso, considerando o medo sofrido, o passeio arruinado e os sérios riscos que eles correram", acrescentou Ramadori. O navio transportava mais de 4,2 mil pessoas. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Itálianaufrágioachadocorpo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.