Encontrado mutilado o corpo de cientista russo desaparecido

Um corpo mutilado pelos cães vadios e animais selvagens em um bosque siberiano foi identificado por familiares diretos como o do físico nuclear Serguei Bakhvalov, desaparecido em 18 de agosto e que estava sendo procurado pelos serviços secretos russos. Bakhvalov era um premiado cientista que até o desaparecimento estava a cargo das operações de desmonte e reutilização dos motores nucleares do submarino Kursk, que afundou no Mar de Barents com toda a tripulação em agosto de 2000. O corpo de Bakhvalov, de 47 anos, ficou exposto durante dez dias, em uma zona de bosques em torno da cidade de Krasnoyarsk, na Sibéria oriental, onde era o titular da cátedra de química e física da Universidade local. A identidade do corpo, segundo a imprensa - que citou fontes da promotoria - foi confirmada pela mulher do cientista, que reconheceu a roupa que Bakhvalov vestia antes de desaparecer. Mas a identificação oficial só será confirmada após a autópsia, talvez através da análise do DNA. O achado acrescentou mais um mistério ao caso do cientista, que desapareceu após uma chamada anônima e de um encontro do qual nunca regressou. A polícia continua afirmando que a morte do físico nuclear não tem conexão com o trabalho no Kursk, no âmbito de um contrato fechado pelo Instituto de Investigação Kristall, do qual ele era dirigente, e sim, possivelmente, com a atividade comercial. Bakhvalov havia assinado recentemente um contrato para a venda de metais não ferrosos, retirados de sucata, com base em uma técnica em que vinha trabalhando nos últimos tempos, no valor de US$ 400 mil.

Agencia Estado,

28 Agosto 2002 | 16h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.