Encontrados restos de desaparecidos no Chile

O Serviço Médico Legal iniciou nesta segunda-feira os trabalhos de identificação de restos de esqueletos encontrados no fim de semana em uma sepultura clandestina no norte do país pelo juiz do caso Pinochet, Juan Guzmán. O magistrado descobriu uma fossa - da qual, segundo disse, a maior parte dos ossos já havia sido retirada -, onde encontrou um crânio, a ossatura de uma mão e costelas, situada no povoado litorâneo de Pisagua, a cerca de 2.000 km ao norte de Santiago. No local funcionou, logo após o golpe militar de 1973 um campo de prisioneiros políticos. Destes, pelo menos dez são considerados desaparecidos. Há dez anos, foi encontrada nas proximidades uma fossa similar com os corpos de cerca de 20 prisioneiros fuzilados por militares. O juiz Guzmán, que está processando o ex-ditador Augusto Pinochet, também abriu processo pelo desaparecimento de detidos em Pisagua contra o general da reserva Carlos Forestier - que, depois de ser comandante-chefe da VI Divisão, com sede em Iquique, chegou a ser o segundo homem do Exército pinochetista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.