EFE/Prensa Miraflores
EFE/Prensa Miraflores

“Encontro de último minuto” faz Maduro cancelar entrevista na ONU

Ele apareceu de surpresa nos Estados Unidos, após falar que não iria ao encontro da ONU por questões de segurança

Beatriz Bulla, ENVIADA ESPECIAL / NOVA YORK, O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2018 | 00h02

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, cancelou uma entrevista coletiva que havia sido anunciada a jornalistas na Assembleia Geral das Nações Unidas, na noite desta quarta-feira, 26. Segundo informações da ONU, um “encontro de último minuto” fez Maduro cancelar a entrevista, sem mais explicações aos jornalistas.

Ele apareceu de surpresa nos Estados Unidos, após falar que não iria ao encontro da ONU por questões de segurança. Nesta quarta-feira, no entanto, ele desembarou em Nova York e fez um pronunciamento à noite na plenária da ONU no qual admitiu a possibilidade de se encontrar com o presidente americano Donald Trump.

“Apesar de todas as diferenças, o presidente da venezuela está disposto a apertar a mão de Trump”, disse o venzuelano, sob aplausos neste momento. Mais cedo, Trump sugeriu que se encontraria com o líder venezuelano."Estou disposto a falar com agenda aberta de todos os temas que o presidente quer falar", insistiu o presidente da Venezuela. 

A pressão internacional sobre a Venezuela se intensificou durante a 73ª Assembleia Geral das Nações Unidas, com críticas de Trump e uma denúncia ao Tribunal Penal Internacional por parte de seis países.

Maduro não deixou de criticar, no entanto, os Estados Unidos. “Ontem, o presidente dos EUA atacou mais uma vez o nobre povo da Venezuela”, disse Maduro. Segundo ele, essa é uma defesa da “doutrina que fundou o império dos EUA e determinou seu papel intervencionista, de polícia do mundo”. Ele também acusa os EUA de terem planejado e financiado o ataque com drones contra ele em agosto e chama de “terroristas” os que conduziram os ataques. 

Trump disse nesta quarta-feira que "todas as opções estavam sobre a mesa" com relação à Venezuela, sem descartar uma intervenção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.