Korean Central News Agency/Korea News Service via AP
Korean Central News Agency/Korea News Service via AP

Encontro de Xi e Kim é novo desafio para os EUA

A reunião serviu para mostrar que os laços entre Coreia do Norte e China voltaram a se fortalecer

Emily Rauhala & Anna Fifield / WASHINGTON POST, O Estado de S.Paulo

29 Março 2018 | 05h00

O encontro entre Kim Jong-un e Xi Jinping reafirma a aliança entre os dois países e realça o desafio que Donald Trump enfrenta. A visita ocorreu a poucas semanas da cúpula com Trump. A reunião serviu para mostrar que os laços entre Coreia do Norte e China voltaram a se fortalecer.

Para os EUA, ficou a mensagem de que qualquer negociação com Kim tem de ser feita por meio de Xi. “Pequim está buscando estabelecer a agenda para futuras cúpulas”, disse Adam Mount, do Projeto de Defesa da Federação de Cientistas Americanos. “A renovação das relações enfraquece o poder de negociação de Trump.”

Para Ni Lexiong, da Universidade de Xangai, Kim usa o conflito entre China e EUA para “tirar proveito dos dois lados”. Segundo Jean Lee, do Wilson Center, a reunião faz parte de uma estratégia bem elaborada. “Mover-se entre China e EUA dá a ele espaço para acelerar a construção de bombas nucleares e mísseis balísticos”, disse.

Sucessivos governos americanos têm pedido à China que use sua influência para conter a Coreia do Norte, mas a prioridade de Pequim é a estabilidade regional. Xi não pretende fazer nada que ameace Kim, o que levaria milhões de refugiados famintos e forças americanas às portas da China. 

No entanto, as recentes ameaças de Trump fizeram a China endurecer as sanções e trouxeram Kim de volta à mesa de negociações. “Com o endurecimento das sanções, reaproximar-se da China tornou-se urgente para a Coreia do Norte”, disse Cheong Seong-chang, do Instituto Sejong.

Com o encontro, Kim chega mais confiante à reunião com Trump. “A visita a Pequim quebrou o isolamento internacional da Coreia do Norte”, disse Cai Jian, da Universidade Fundan, em Xangai. “Kim vai para a mesa de negociações com cacife maior e uma posição mais vantajosa.” / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

SÃO JORNALISTAS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.