Energia para resfriar usina no Japão é restabelecida

Medida é fundamental para que temperatura adequada seja mantida em reatores

AE, Agência Estado

17 de março de 2011 | 10h38

 

 

 

TÓQUIO - A Tokyo Electric Power (Tepco), proprietária da usina Daiichi, em Fukushima, no Japão, informou nesta quinta-feira, 17, que restabeleceu a conexão do cabo de energia. A eletricidade é essencial para que motores, válvulas e bombas mantenham os reatores em uma temperatura adequada. Além disso, a Tepco planeja seguir lançando água para resfriar seus reatores e evitar novas explosões e vazamentos radioativos.

 

Veja também:

blog Twitter: Siga a correspondente Cláudia Trevisan, que está no Japão

especial Infográfico: Entenda o terremoto maiores tragédias dos últimos 50 anos

especial Especial: A crise nuclear japonesa

documento Relatos: envie textos, vídeos e fotos para portal@grupoestado.com.br

som Território Eldorado: Ouça relato do embaixador e de brasileiros no Japão

mais imagens Galeria de fotos: Tremor e tsunami causam destruição

blog Arquivo Estado: Terremoto devastou Kobe em 1995

A situação, porém, ainda não está estabilizada e pode piorar, de acordo com a Agência de Segurança Nuclear francesa (ANS, na sigla em francês). Segundo a agência, as situações mais preocupantes são as dos reatores 3 e 4 da usina. "A piora da situação permanece uma possibilidade em Fukushima", disse o vice-diretor da ANS, Olivier Gupta, durante entrevista à imprensa. "Tudo deve ser feito para levar água à usina", disse ele, lembrando que a Tepco utiliza helicópteros e tanques com água para o resfriamento.

O governo metropolitano de Tóquio informou hoje que o nível de radiação no centro da capital japonesa às 6 horas (horário de Brasília) estava em 0,050 milisieverts (unidade usada para indicar danos biológicos causados pela radiação). O número é pouco maior que os níveis normais.

 

Os níveis de radiação eram mais altos na Prefeitura de Fukushima, área próxima da usina Daiichi. O usina tornou-se fonte de preocupação internacional após o terremoto da sexta-feira passada, que prejudicou o sistema de resfriamento de vários de seus reatores.

Na cidade de Fukushima, 60 quilômetros a noroeste da usina, a radiação estava em 12,3 microsieverts. O governo japonês ordenou a retirada das pessoas que vivem num raio de 20 quilômetros da usina. O maior risco é para os funcionários que trabalham no resfriamento dos reatores. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.