Enfermeiro é indiciado por assassinato após incêndio em asilo australiano

Cinco idosos morreram, segundo a polícia.

BBC Brasil, BBC

19 de novembro de 2011 | 09h00

Um enfermeiro foi indiciado por assassinato após o incêndio que matou cinco idosos em um asilo de Sydney, segundo a polícia australiana.

Mais de 30 pessoas que ficaram feridas depois que as chamas tomaram conta do asilo de Quakers Hill, na sexta-feira, ainda estão internadas, algumas delas em estado grave.

Roger Dean, de 35 anos, participou via vídeo conferência, de sua cela, da audiência no tribunal de Parramatta, mas não disse nada e vai permanecer preso até a semana que vem.

A premiê australiana, Julia Gillard, descreveu a sexta-feira como "um dia de muita escuridão".

"Imaginar pessoas idosas, frágeis presas em um incêndio como esse, correndo risco de ser engolidas pelas chamas, é verdadeiramente horrível", disse a premiê.

"Meus pêsames para as famílias que perderam seus entes queridos e àqueles cujos parentes estão internados e que estão à espera de notícias."

Prisão

Segundo a polícia, Dean foi preso pouco após o incêndio, depois de uma investigação detalhada do local.

"Tudo o que posso dizer é que os investigadores interrogaram o suspeito na delegacia de Mount Druitt ontem à noite, onde eles decidiram que havia provas suficientes para mantê-lo preso", disse o comandante Michael Willing.

De acordo com relatos, a polícia suspeita que o incêndio tenha começado em dois pontos diferentes do prédio.

Durante o incêndio, centenas de bombeiros trabalharam para apagar as chamas que tomaram conta do local. Cerca de cem idosos que viviam no asilo foram evacuados.

Um dos bombeiros disse à imprensa que o incêncio era como um "pesadelo terrível".

"As equipes tinham que literalmente engatinhar até cada sala do prédio e procurar em cada cama, armário... qualquer lugar que alguém pudesse ter ido para se proteger." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.