Enquanto alimentos viram lixo, fome aumenta em algumas partes dos EUA

Enquanto alimentos viram lixo, fome aumenta em algumas partes dos EUA

Pandemia provoca fechamento de fábricas e matadouros, obrigando produtores a descartar comida e abater animais em massa

Redação, WASHINGTON

17 de maio de 2020 | 04h30

WASHINGTON – O avanço da pandemia em áreas rurais dos EUA desordenou a cadeia produtiva e vem ameaçando o abastecimento de alimentos. O excesso de oferta obriga agricultores a descartar a produção e cria uma situação paradoxal: enquanto a comida vira lixo, em alguns lugares, a fome aumenta em outras partes do país.

Segundo o Projeto Hamilton, do Brookings Institution, desde o início da pandemia, as taxas de insegurança alimentar das famílias americanas dobraram e os índices de insegurança alimentar infantil quadruplicaram. O governo tem feito o que pode. O Departamento de Agricultura envia 5 milhões de caixas de comida por semana para crianças que vivem em áreas rurais.

Muitos americanos estão recorrendo a bancos de alimentos. A Califórnia registrou um aumento de 73% na busca por organizações que distribuem comida. Desde 1.° de março, o Greater Cleveland Food Bank atendeu 15 mil novas famílias, o triplo do total do mesmo período do ano passado. 

A Flórida é um reflexo da relação antagônica entre fome e produção. Nos últimos três meses, a demanda no Feeding South Florida, maior banco de alimentos do Estado, cresceu 600%. Ao mesmo tempo, o setor agrícola quebrou depois que restaurantes, hotéis, escolas e parques da Disney fecharam. Ervilhas, repolhos e tomates não foram colhidos, segundo Instituto de Agricultura da Universidade da Flórida. 

Outro retrato da desordem é o exemplo da família Cranney, que planta batatas e vende a produção para a maior fabricante do mundo, a McCain Foods, no mesmo Estado de Idaho. Em março, no início da pandemia, quando os pedidos de restaurantes pararam, a McCain estocou as batatas fritas processadas em freezers. Quando eles ficaram lotados, a empresa fechou a fábrica e parou de comprar dos agricultores. Com isso, a família Cranney não conseguiu mais escoar a produção. 

O problema, segundo eles, é que os americanos continuam comendo batatas fritas, mas não em restaurantes. A maioria dos produtores não consegue fornecer para supermercados, caixas de 25 quilos. “Estamos correndo para empacotar tudo em embalagens menores para tentar vender no varejo”, disse Ryan Cranney, que calcula um prejuízo de US$ 3,5 milhões.

Outro gargalo criado pela covid-19 é na indústria de carne. Matadouros e fábricas de processamento tiveram de fechar após as primeiras contaminações de funcionários. Pelo menos 30 trabalhadores de frigoríficos nos EUA morreram e outros 10 mil foram infectados, segundo o maior sindicato do setor. 

Foi como se uma corda espremesse o meio da cadeia produtiva. De um lado, a carne moída não flui para as lojas de fast-food, o peito de frango não chega aos supermercados e o bacon não é distribuído para restaurantes e hotéis. Do outro, milhares de criadores não sabem o que fazer com os animais prontos para o abate. “Se eles não são mortos, ganham peso, é preciso alimentá-los e isso é caro”, disse Mary Hendrickson, da Universidade do Missouri.

Há pelo menos dois casos de criadores de porcos no Estado de Minnesota que improvisaram câmaras de gás, trancafiando os animais no celeiro lacrado e injetando monóxido de carbono. Um outro, segundo o Washington Post, atirou na cabeça dos porcos com uma arma – levou o dia todo. 

O resultado é uma queda de 40% na capacidade de processamento de carne nos EUA, segundo Jayson Lusk, economista da Universidade de Purdue. No setor suíno, isso equivale a 200 mil porcos por dia que não serão abatidos – se nada mudar, o excesso pode chegar a um milhão de animais por semana.

Os problemas de distribuição já provocam escassez. A Kroger, maior rede de supermercados dos EUA, limitou a quantidade de carne moída e suína que os clientes podem comprar em algumas lojas. A Costco colocou um limite de três produtos na compra de carne bovina, aves e suínos. A Wendy’s, cadeia de fast-food, já relatou a falta de hambúrgueres em centenas de lojas que fazem entregas online. / WP e NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.