Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
VALERIE BAERISWYL / AFP
VALERIE BAERISWYL / AFP

Enquanto tentava se manter no poder, Moïse enfrentava onda de rejeição dos haitianos

Em fevereiro deste ano, o Haiti noticiou fúria nas ruas com gangues armadas e registros de ataques a delegacias de polícia.

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2021 | 18h30

 PORTO PRÍNCIPE - A onda de rejeição contra o presidente Jovenel Moïse, presidente do Haiti, assassinado nesta terça-feira, 7, teve pico nos últimos meses. Isso porque seu mandato havia expirado em fevereiro de 2021. Com a oposição articulada, o país foi tomado por protestos contra o governo. O ex-presidente também enfrentava acusações de fraude eleitoral. 

 

Michel Martelly, antecessor de Moïse, deixou a presidência em 2016. Quase cinco anos depois, em fevereiro deste ano, o Haiti noticiou fúria nas ruas com gangues armadas e registros de ataques a delegacias de polícia. 

 

Os manifestantes reivindicavam a saída de Moïse. Leonie Hermantin, uma líder da comunidade haitiana em Miami, disse que as pessoas da diáspora, por mais divididas que estivessem sobre Moïse, uniram seu choque e desespero. “Não queremos voltar ao passado, onde presidentes eram eliminados pela violência”, disse ela, acrescentando: “Não há ninguém comemorando”.

Mesmo com o apelo popular e jurídico, o líder haitiano não deixou o cargo. Como reação, opositores foram às ruas, incendiaram lixos e pneus, e exigiram a renúncia de Moïse. A resposta veio rápida, o governo anunciou a prisão de 23 pessoas, incluindo um juiz e um oficial da polícia, que Moïse alegava ter sofrido tentativas de morte e derrubada do governo. “O objetivo dessas pessoas era fazer um atentado contra minha vida”, disse o presidente Moïse na época. “Esse plano foi abortado.”

 

“Embora os números exatos ainda não sejam claros, as estimativas preliminares sugerem que milhares de pessoas fugiram de suas casas e buscaram abrigo com famílias anfitriãs ou se estabeleceram em abrigos informais”, disse o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários no mês passado em um relatório sobre o situação .

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.