Entenda a crise envolvendo facções palestinas

Tensão entre Hamas e Fatah provoca alguns dos piores momentos em décadas

Agencia Estado

18 Junho 2007 | 11h59

Os territórios palestinos estão passando alguns de seus momentos mais tensos das últimas décadas, com o crescimento da rivalidade entre membros do Hamas, do primeiro-ministro Ismail Haniya, e o Fatah, do presidente Mahmoud Abbas. A BBC preparou uma série de perguntas e respostas que ajudam a entender melhor a atual onda de violência. O que levou ao aumento na tensão? No dia 24 de maio, militantes do Hamas e do Fatah rejeitaram o pedido de cessar-fogo do presidente palestino Mahmoud Abbas para acabar com a violência entre as duas facções na Faixa de Gaza. Desde então, militantes dos dois lados chegaram a declarar trégua sete vezes, mas o anúncio era sempre desrespeitado logo que um dos lados reiniciava os ataques. Na última segunda-feira, a casa do primeiro-ministro palestino Ismail Haniyah, do Hamas, foi alvo de um ataque, que reacendeu a violência na Faixa de Gaza. Desde então, militantes do Hamas atacaram posições do Fatah, e os confrontos entre as duas facções causaram a morte de pelo menos 18 pessoas. O acordo de coalizão que juntou Hamas e Fatah no governo palestino demorou meses para ser alcançado. Com o acordo entre as duas facções, os palestinos esperavam reverter a crise iniciada pela vitória do Hamas nas eleições de janeiro de 2006. A vitória do Hamas levou a um boicote internacional contra os palestinos, devido à recusa do grupo em reconhecer o direito de existência do Estado de Israel. Por muitos meses, a tensão vem aumentando nos territórios palestinos, que também passam por uma crise econômica, intensificada pelo cerco militar imposto por Israel e pelas sanções internacionais. Qual são as principais diferenças ideológicas dos dois partidos? O Fatah - facção à que era ligado o líder palestino Yasser Arafat, que morreu em 2004 - apoiou a assinatura dos acordos de Oslo, em 1993, mas o avanço não trouxe paz duradoura à região. Alguns líderes importantes do Fatah continuam acreditando que acabar com os ataques de palestinos contra Israel é a chave para forçar os israelenses a participarem de negociações de paz, levando à criação de um Estado palestino independente. O Hamas se recusa a reconhecer a legitimidade de Israel ou a desistir da luta armada para retomar para os palestinos os territórios anexados por Israel em 1948. O fracasso do processo de paz e as condições difíceis causadas pela ocupação israelense teriam causado a vitória do Hamas nas eleições parlamentares de 2006. Muitos palestinos perderam a confiança no Fatah, que há alguns anos é visto como corrupto e incompetente. Dentro do Fatah, muitos se ressentem por ter perdido o poder pela primeira vez desde o surgimento do partido na década de 60. Além disso, as visões de mundo do Fatah e do Hamas são fundamentalmente diferentes. O Fatah é um movimento secular e nacionalista, que reconheceu o direito de existência do Estado de Israel. Está é uma das principais razões de sua aceitação internacional. O Hamas é um movimento religioso islâmico, que por princípio não aceita a existência de um Estado judaico em terras que considera pertencentes a uma nação islâmica. O Hamas não concorda com a solução amplamente aceita pela comunidade internacional de um Estado de Israel vivendo ao lado de um Estado Palestino. Esta é a principal razão de seu isolamento em relação ao ocidente Qual é a relação dos dois partidos com grupos armados? O Fatah é ligado ao grupo Brigada de Mártires de Al-Aqsa, que adotou um cessar-fogo informal em 2005, mas conduz o que chama de ataques retaliatórios contra Israel. O braço armado do Hamas, as brigadas Izzedine Al-Qassan, adotou também esse cessar-fogo - mas como a Brigada de Mártires de Al-Aqsa, se reserva ao direito de realizar ataques contra alvos israelenses. O Hamas também tem cerca de três mil seguidores que formam uma força armada que atua na Faixa de Gaza. A atuação desses homens armados aumenta a tensão no território e estimula seguidores do Fatah a apelar para a violência. Os cerca de 70 mil membros da força de segurança palestina são, em sua maioria, leais ao Fatah.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.