Entenda a onda de greves na França

Trabalhadores protestam contra reforma previdenciária proposta por Sarkozy

estadão.com.br,

18 de outubro de 2010 | 18h22

SÃO PAULO - A onda de greves e protestos na França foi detonada pela reforma no sistema de previdência do país, proposto pelo presidente Nicolas Sarkozy. A nova lei, que deve ser votada pelo Senado na quarta-feira, prevê o aumento na idade limite para aposentadoria de 60 para 62 anos.

Com o envelhecimento da população, um sistema previdenciário público e uma economia ainda se recuperando da crise mundial, Sarkozy pretende aprovar a reforma para aumentar a arrecadação e evitar o colapso previdenciário. A Confederação Geral dos Trabalhadores , o principal sindicato do país, no entanto, se opõe à medida.

Com a popularidade em baixa, Sarkozy enfrenta a oposição também dos estudantes secundaristas, que ainda não ingressaram no mercado de trabalho.

As greves afetam os sistemas de metrô, trens urbanos e transporte de cargas, as refinarias de combustível e os correios. Cerca de 6% das escolas do país foram fechadas devido aos protestos estudantis. 

A nova rodada de greve começou na terça feira passada. Em seis dias, as centrais dizem ter reunidos até 2,5 milhões de pessoas nas ruas por dia em todo o país. A polícia estima este número em cerca de 825 mil.

Segundo uma pesquisa publicada pelo jornal Le Parisien, 70% dos franceses apoiam os grevistas.

Com Reuters e BBC Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
greves na FrançaFrança

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.