AFP PHOTO / POOL / Leon Neal
AFP PHOTO / POOL / Leon Neal

Entenda as sanções impostas por Londres a Moscou por envenenamento de ex-espião

Os 23 diplomatas russos expulsos pelo Reino Unido deixaram a embaixada nesta terça-feira, medida à qual a Rússia respondeu com a retirada do mesmo número de representantes

O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 14h12

LONDRES - Os 23 diplomatas russos expulsos do Reino Unido em resposta ao ataque contra o ex-espião russo Serguei Skripal deixaram nesta terça-feira, 20, a embaixada em Londres, segundo informações da agência de notícias France-Presse.

+ Grã-Bretanha acusa Rússia de armazenar substância mortal usada em ataque a ex-espião

+ Alvos de Putin atraíram espiões russos para Londres

Os diplomatas partiram em vários veículos com suas famílias no último dia do prazo de uma semana decretado pelo governo britânico para que deixassem o país. A esta medida, Moscou respondeu com a expulsão do mesmo número de representantes diplomáticos britânicos. Saiba mais sobre as sanções impostas pelo Reino Unido abaixo e o impacto de cada uma delas, de acordo com informações do jornal The Guardian.

+ Polícia britânica identifica 131 pessoas expostas à substância que envenenou ex-espião russo

+ Polícia britânica abre investigação por assassinato de exilado russo Gluchkov

Diplomatas

A expulsão de 23 diplomatas russos da embaixada em Londres corresponde à saída de 40% do total de representantes (58) que atuam no local. Esta é a maior expulsão de diplomatas em 30 anos. A decisão de manter o embaixador russo Alexander Yakovenko reflete o fato de que expulsá-lo faria a Rússia simplesmente tentar substituí-lo. Qualquer baixa na embaixada russa leva a represálias no Reino Unido, o que prejudica o trabalho de Londres em manter um interlocutor na Síria - parceira de Moscou -, ainda que muitas discussões sejam realizadas na ONU.

Monitoramento

O vice-diretor geral do think tank Rusi, Malcolm Chalmers, afirma que medidas como aumentar o monitoramento de aviões particulares e novas formas de frear as pessoas nas fronteiras apontam que “os serviços de inteligência estão focados em combater o terrorismo em oposição às ameaças estatais, especialmente da Rússia”.

Crimes

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que as sanções seriam pequenas, incluindo apenas o congelamento de ativos russos e a proibição de vistos. Chalmers diz que declarações de riquezas inexplicadas, uma nova ferramenta que passou a ser utilizada neste ano, pode ser mais útil para ajudar a Agência Nacional de Crimes a desvendar casos de lavagem de dinheiro e crime organizado.

Esporte

O boicote à Copa do Mundo da Rússia é limitado a ministros e membros da família real. Analistas apontam para os possíveis confrontos entre hooligans russos e ingleses.

Imprensa

A Ofcom, que regula a imprensa britânica e age de forma independente, já anunciou que investigará se a licença da emissora russa RT deve ser revogada por motivos de interesse público. O encerramento dessas atividades no Reino Unido poderia levar os ministros a serem acusados de hipocrisia por países como a Turquia.

Armas químicas

Os ministros russos insistem que a Rússia destruiu seu estoque de armas químicas em 2017. Eles também argumentam que o agente neurotóxico utilizado contra Skripal, de 66 anos, e sua filha, de 33 anos, não faz parte da proibição internacional. O Reino Unido tentará pressionar a Rússia em fóruns internacionais para exigir que ela elimine essas substâncias.

Apoio

O Reino Unido tem buscado apoio nas sanções contra a Rússia na ONU, na União Europeia e na Otan, mas May explicou que não faria pedidos específicos a nenhum líder mundial. “Será muito mais difícil para outros Estados tomar as mesmas medidas concretas que o Reino Unido, como o fim dos laços diplomáticos”, diz Chalmers. O presidente francês, Emmanuel Macron, por exemplo - apesar de ter declarado apoio à decisão de May - não cancelou sua visita a Moscou. Analistas admitem que o apoio prático a Londres dependerá em convencer seus aliados de que a Rússia é responsável pelo ataque a Skripal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.