Kiana Hayeri/The New York Times
Kiana Hayeri/The New York Times

Entenda como a sharia pode afetar a vida das afegãs sob o regime do Taleban

Uma das questões mais urgentes levantadas pelo retorno do Taleban ao poder no Afeganistão é se o grupo radical islâmico novamente imporá restrições draconianas às mulheres e meninas

The Washington Post, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2021 | 18h00

Uma das questões mais urgentes levantadas pelo retorno do Taleban ao poder no Afeganistão é se o grupo radical islâmico novamente imporá restrições draconianas às mulheres e meninas. Grande atenção foi dada à declaração de um porta-voz, em 16 de agosto, de que o Taleban respeitaria os direitos das mulheres dentro da estrutura da sharia, ou lei islâmica. O que isso significa?

1. O que é sharia?

É um conjunto de preceitos, em vez de um código de lei disponível para aplicação. É composto pelos princípios do Islã, estabelecidos principalmente no Alcorão e no registro da vida do profeta Maomé. A sharia está sujeita à interpretação de juristas, clérigos e políticos. O corpo de jurisprudência produzido por estudiosos muçulmanos desde a época de Maomé é conhecido como fiqh, que significa compreensão, e muitas vezes é referido como sinônimo de sharia.

2. O que a sharia estabelece sobre os direitos das mulheres?

A religião estabelecida na Arábia por Maomé, que morreu no ano 632, de alguma forma promoveu proteções para meninas e mulheres, que antes eram tratadas como propriedade. O Alcorão e os ensinamentos de Maomé estabelecem, por exemplo, que uma mulher tem o direito de escolher um marido e trabalhar. A primeira mulher de Maomé, Cadija, era uma empresária talentosa. Ao mesmo tempo, a vida de Maomé serve de modelo para práticas como a poligamia, ainda comum em muitas sociedades islâmicas.

Vários versículos do Alcorão dizem que homens e mulheres "foram criados da mesma essência". Alguns também afirmam que os homens são “qawwamun” em relação às mulheres. O significado desse termo é muito debatido. Foi interpretado como “protetores e mantenedores”, mas também entendido por alguns como uma conotação da superioridade dos homens sobre as mulheres. O versículo continua dizendo que as mulheres devotas são “obedientes” e que se elas desobedecem persistentemente, seus protetores masculinos, como último recurso, devem “bater” nelas.

A sharia estabeleceu que as mulheres têm direitos legais e financeiros, bem como o direito de herdar. No entanto, o Alcorão especifica que uma irmã herda metade da quantia de seu irmão. Alguns estudiosos argumentaram que a diferença na herança é contrabalançada pelo fato de que os homens têm a responsabilidade de sustentar financeiramente as mulheres, os idosos e os jovens da família.

Costuma-se dizer que, sob a sharia, o testemunho de uma mulher vale metade do de um homem. Isso é baseado em um versículo do Alcorão que diz: "E se não houver dois homens (disponíveis), então (traga) um homem e duas mulheres daqueles que você aceita como testemunhas". A passagem é sobre a necessidade de haver testemunhas de um contrato comercial em que uma das partes seja "de compreensão limitada". Alguns estudiosos argumentam que, na época em que o versículo foi escrito, era raro que as mulheres tivessem experiência em negócios e que seu objetivo não era impugnar a credibilidade das mulheres em geral.

O Alcorão afirma que uma mulher não deve revelar sua beleza a homens fora de sua família. Muitos juristas islâmicos determinaram que isso exige que as mulheres cubram o cabelo ou o rosto.

3. Como a sharia se reflete nas leis nacionais?

A sharia é citada como “uma fonte” ou “a fonte” da legislação em muitas constituições em todo o mundo muçulmano. As mulheres são as mais afetadas pelas disposições relativas ao estatuto familiar ou pessoal. Isso significa que muitas vezes eles não têm os mesmos direitos que os homens quando se trata de questões como casamento, divórcio e herança. A disparidade entre os direitos das mulheres no Iraque relativamente liberal e no Irã conservador reflete a latitude que os líderes políticos assumem ao interpretar o que significa basear a lei na sharia. A constituição do Iraque de 2005 está entre as que garantem a igualdade entre os sexos. Enquanto isso, no Irã, as mulheres têm liberdade de movimento limitada e enfrentam decretos sobre o que podem vestir, como fizeram no Afeganistão, quando o Taleban estava no poder anteriormente, de 1996 a 2001. Na Arábia Saudita, onde fica a cidade sagrada muçulmana de Meca, a sharia foi interpretada até recentemente como limitando as viagens e o emprego das mulheres e seu direito de dirigir um veículo.

4. O que se pode esperar do Taleban agora?

À medida que consolidam o poder no Afeganistão, o Taleban parece projetar uma imagem mais branda ao buscar a legitimidade de potências externas. Muitos duvidam que o grupo mudou sua visão sobre os direitos das mulheres de uma forma fundamental. Ele justificou suas posições anteriores com base na lei islâmica. E nas áreas que controlava antes de sair vitorioso sobre o governo apoiado pelos EUA aplicou violentas represálias contra as mulheres por violações de suas interpretações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.