Entenda o conflito entre as milícias somalis e a Etiópia

A Etiópia confirmou ter bombardeado duas cidades somalis neste domingo, após uma semana de enfrentamentos entre militantes ligados às Cortes Islâmicas e soldados etíopes. O conflito é parte de uma longa disputa de poder entre as lideranças muçulmanas e o governo interino do país, que tem apoio da ONU e é protegido por tropas da Etiópia. Em relatórios recentes, observadores da ONU afirmaram temer que a presença dos soldados etíopes na Somália, somada a relatos de que os milicianos islâmicos contam com apoio de forças da Eritréia, desencadeie uma guerra regional no chamado Chifre da África. A Eritréia nega a informação, mas não esconde suas diferenças com a Etiópia, com quem travou uma guerra por disputas de fronteira entre 1998 e 2000.As Cortes Islâmicas foram o primeiro grupo a consolidar o controle sobre todos os bairros da capital Mogadiscio desde a queda do governo somali, em 1991, e a tomada do poder por senhores da guerra que dividiram o país em campos rivais. O objetivo do grupo é formar um governo guiado pelas leis islâmicas. Na quarta-feira, 20, a visita de um enviado da União Européia à sede do governo interino, em Baidoa, e aos líderes islâmicos que tomaram Mogadiscio gerou declarações de comprometimento com a reabertura das negociações de paz. Mas, com os bombardeios às cidades controladas pelas milícias islâmicas neste domingo, o processo de paz parece estar mais uma vez comprometido.Conheça os principais eventos da história da Somália:1º de Julho de 1960: a Somalilândia, um ex-protetorado da Inglaterra, torna-se independente.21 de Outubro de 1969: o major-general Mohamed Siad Barre assume a presidência através de um golpe de Estado.Janeiro de 1991: Barre é deposto por rebeldes, que em seguida, começam a lutar entre si.Abril de 1992: uma grande operação de ajuda humanitária da ONU auxilia milhares de civis que passam fome por causa dos conflitos. Mais de 100 mil pessoas morreram entre 1991 e 1992.Agosto de 1992: aviões americanos entregam comida para a Somália, um mês depois fuzileiros navais chegam ao país para assegurar a entrega dos mantimentos.Dezembro de 1992: chegada das primeiras tropas americanas na Somália.Janeiro de 1993: exército americano realiza primeiro ataque aéreo contra quartéis de senhores da guerra.Outubro de 1993: milicianos derrubam um helicóptero Blackhawk, 18 militares americanos morrem no acidente e em uma tentativa de resgate subseqüente. Soldados reduzem operações de combate contra senhores da guerra.Março de 1994: tropas americanas se retiram da Somália, sendo substituídas por uma força de paz da ONU.Março de 1995: fuzileiros navais americanos escoltam os últimos mantenedores da paz da ONU do país, encerrando uma operação de dois anos.Agosto de 1998: atentados suicidas simultâneos destroem a embaixada americana em Nairóbi, no Quênia, e em Dar es Salaam, na Tanzânia, matando mais de 200 africanos e 12 americanos. Os organizadores dos ataques fogem para a Somália. Novembro de 2002: células da Al-Qaeda atacam um hotel israelense, matando 15 pessoas. Investigadores acreditam que a ação foi executada pelos mesmos homens que organizaram os atentados contra as embaixadas.Março de 2003: o senhor da guerra Mohammed Dhere captura um suspeito de participar dos atentados de 1998 e o entrega as autoridades, no Quênia. Outubro de 2004: depois de dois anos de negociação mediada pela ONU, senhores da guerra e líderes civis reunidos em Nairóbi concordam com a formação de um novo governo comandado pelo ex-coronel Abdullahi Yusuf.Março de 2005: o líder islâmico Hassan Dahir Aweys, um ex-coronel do Exército, ameaça iniciar uma guerra santa caso tropas estrangeiras entrem na Somália novamente e promete estabelecer um governo islâmico.Fevereiro de 2006: o Parlamento, apoiado pela ONU, se reúne pela primeira vez em Baidoa, na região central do país.Março de 2006: Aliança para a Restauração da Esperança e Contraterrorismo luta contra a União das Cortes Islâmicas pela primeira vez, deixando 73 pessoas mortas na capital Mogadiscio. A milícia islâmica acusa os Estados Unidos de apoiar a aliança.5 Junho de 2006: a União das Cortes Islâmica tomam o controle de Mogadiscio depois de confrontos sangrentos.20 de dezembro de 2006: após visita de enviado europeu, governo interino e União das Cortes Islâmicas anunciam que irão retomar negociações de paz24 de dezembro de 2006: aviões etíopes bombardeiam cidades controladas por milícias islâmicas27 de dezembro de 2006: Tropas somalis apoiadas pela Etiópia ocupam o povoado de Jowhar, localizado a 90 quilômetros de Mogadiscio

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.