Entenda os interesses dos EUA e Irã no Afeganistão

Apesar da hostilidade mútua que já dura três décadas, países possuem alguns objetivos comuns na região

Reuters,

30 de março de 2009 | 17h50

O Irã anunciou na semana passada que irá para a conferência da ONU sobre o Afeganistão na terça-feira, 31, juntando-se as negociações propostas pelos Estados Unidos, que tentam melhorar o diálogo com Teerã. Neste mês, o presidente americano Barack Obama propôs um novo começo nas relações com o Irã, depois de três décadas de hostilidade. A abertura é considerada um grande contraste em relação às medidas adotadas durante a gestão do ex-presidente George W. Bush.

 

Veja também:

Especial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão especial

 

O governo iraniano disse que está pronto para ajudar o Afeganistão, onde a influência do Taleban está voltando a crescer. Sua inclusão na conferência é um sinal claro da importância que o Irã possui para a estabilização da região. Washington e Teerã estão divididos em muitas questões, mas também compartilham interesses comuns no Afeganistão e outras regiões. Conheça os temas-chave abaixo:

 

 

AFEGANISTÃO

 

Os dois países disputam influência no Afeganistão, mas se opõe aos regimes linha-dura do Taleban e Al-Qaeda, apoiam o presidente afegão Hamid Karzai e querem estabilidade. Também buscam o fim do tráfico de drogas. Apesar disso, o comandante das forças internacionais no Afeganistão, general David McKiernan, acusou neste mês o Irã de treinar insurgentes do Taleban e de ser cúmplice com o comércio de narcóticos. O Irã negou as acusações.

 

Em 2001, Teerã trabalhou com o governo americano para instituir um novo governo afegão, em substituição ao domínio Taleban. Mas com a inclusão do Irã no "eixo do mal" durante o governo Bush, a relação entre as duas nações novamente voltou a piorar.

 

IRAQUE

 

O Iraque é o principal ponto de rivalidade entre EUA e Iraque. Teerã se sente ameaçada pela presença americana na região e Washington está determinada a não deixar que o Iraque recaia na área de influência do Irã - uma possibilidade que só foi aberta depois da invasão americana de 2003, que depôs o ditador iraquiano Saddam Hussein, um dos principais inimigos do governo iraniano.

 

Ainda assim, as duas nações têm interesses comuns na estabilidade do Iraque, integridade territorial e harmonia sectária.

 

MILITÂNCIA ISLÂMICA

 

Washington e Teerã possuem inimigos comuns na Al-Qaeda e Taleban, dois grupos sunitas da Jihad islâmica que se opõe ao setor xiita dominante no Irã, assim como ao Ocidente. Entretanto, o Irã apoia grupos islâmicos que lutam contra Israel, entre eles o libanês xiita Hezbollah e o palestino sunita Hamas, considerados pelo governo iraniano como resistências legítimas. Para EUA, tratam-se de organizações terroristas.

 

ATIVIDADE NUCLEAR

 

A disputa nuclear entre Irã e EUA gera muita discussão. Washington acredita que Teerã está buscando um programa para construção de armas nucleares, o que ameaçaria os americanos e israelenses. Por sua vez, o Irã insiste que seu programa possui apenas fins pacíficos e de energia civil, e nega que faça enriquecimento de urânio - necessário para a fabricação da bomba atômica.

 

Tudo o que sabemos sobre:
EUAIrãAfeganistãoIraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.